Macieira

Nome cientifico: Pyrus malus (Malus spp.)

Sinonímia: Cultivares: Bem precoses: Soberana, Anna, Michal, Ein Shemer, Galícia, Gala. Precoses: Rainha, Marquesa, Brasil, Delícia, Valinhence, Culinária. Medianos/tardios: Dulcina, Bonita, Centenária.

Composição Química:

Contem Vit. A , Vit. B1 (Tiamina), Vit. B2 (Riboflavina), Vit. B5 (Niacina), Vit. C (Ácido ascórbico), potássio, fósforo, cálcio, sódio, ferro, silício, magnésio, cloro, ácido málico, ácido fosfórico,


Dados para Cultivo

Propagação: mudas raiz nua e envasadas, ambas enxertadas.

Espaçamento: (básico), porta enxerto vigoroso: 6x4 m; semi: 5x3m; ananicante: 4x2m

Época de Plantio: mudas raiz nua: julho agosto; envasadas: período das águas (chuvas)

Época Colheita: raiz, casca: ano todo; frutas: dezembro a março (safras comerciais a partir do 2-3 ano)


Informações Gerais

Contra Indicações:

Doentes do estômago devem comê-la descascada.

Valor Alimenticio:

É muito bom comer uma maçã antes de deitar. É muito nutritiva. Ditado inglês :” eat one apple by day, and keeps the doctor away” ( comer uma maçã por dia mantém o médico longe ). Pelos seus conteúdos, é especial para crianças debilitadas, pessoas com grande atividade mental, mães que amamentam, convalescentes em geral.


Uso Medicinal

Uso Normal:

Depurativo do sangue, por ter ácido málico elimina detritos do metabolismo. 100 gramas diárias em jejum ajudam na cura de artroze, gota, reumatismo. É digestiva, hipercloridria, dispepsia infantil. Crua ou assada é peitoral, ajuda a tuberculose, bronquite, asma (ferro), catarros pulmonares, afecções das vias respiratórias. Suco: combate difteria, rouquidão, febres, cálculos do fígado e dos rins, inflações da bexiga e do aparelho urinário, catarros intestinais, transtornos da gravidez. Purê para palpitação do coração. É ativador das funções mentais (tem ácido fosfórico), permite sono tranqüilo, útil nas doenças crônicas do sistema nervoso. Ajuda na colite e dessimetria (propriedades adstringentes , por causa do ácido málico, vitaminas, fermentos, tanino, pectina. Consumir a fruta com a casca para anemia cerebral. Tem propriedades alcalinas, atuando na acidose, gota, reumatismo, icterícia, fígado, vesícula, hemorroidas, obesidade, diabete, sífilis, albuminúria, dermatoses crônicas, sudações profusas, desarranjos do aparelho digestivo, diarreia. As flores como infusão (30:1000), como peitoral e antiespasmódica, cólicas em geral, bronquite. Raízes, cascas, uso interno, decoto, 1 xícara, 3 vezes ao dia: afecções febris.

Características:

Originária das montanhas do Cáucaso, Oriente médio e Leste asiático. Seu cultivo em SP somente é possível utilizando-se variedades adaptadas pelo IAC. Deve-se usar mudas enxertadas em porta enxertos clonais ou de sementes da própria macieira. Planta perene de polinização cruzada exigindo planejamento de variedades inter polinizantes [plantas produtoras de flores masculinas e de plantas com flores femininas] (mesmo em pomares domésticos) para produção normal.

Foto:

Foto 2:

Foto 3:

Foto 4: