Hortelã-pimenta (Hortelã)-

Nome cientifico: Mentha piperita, Mentha spp. L.M. crispa

Sinonímia: Hortelã, menta, menta-inglesa, hortelã-apimentada, hortelã-das-cosinhas, sândalo. Cultivar: Campinas (IAC-701).

Composição Química:

Mentol, mentona, mentofurano.


Dados para Cultivo

Propagação: rizomas de plantas adultas com 2-3 gemas

Espaçamento: viveiro: 10cm entre linhas; campo: 70-100 cm linhas, 30 cm entre plan.

Época de Plantio: viveiro: julho a agosto; campo: outubro a novembro

Época Colheita: folhas e ramos: no início do florescimento


Informações Gerais

Contra Indicações:

Para lactentes e crianças de pouca idade, cuidado com quantidade excessiva na forma de extrato, pois pode provocar asfixia e dispnéia. Tomado a noite pode provocar insônia. Todo remédio para vermes deve ser tomado 1/2 hora antes do café da manhã. Não é recomendado para quem tenha hérnia de hiato pois causa refluxo do estômago para o esôfago.
Além do potencial abortivo, alguns chás devem ser evitados nos primeiros meses de gravidez porque podem causar malformação do bebê. É o caso do hortelã-pimenta, da bardana e da quina verdadeira. ”Seu princípio ativo atravessa a barreira placentária e pode causar problemas no feto como retardo mental e encurtamento dos membros”, adverte o obstetra Márcio Coslovsky, diretor do Centro de Reprodução Humana Hungtiton da Clínica São Vicente.

Valor Alimenticio:

Usado em culinária, acompanhando diversos pratos, principalmente carnes. Serve para refrescos e doces.

Observações:

Dado ao fato de poderem cruzar entre si provocando hibridações, não se recomenda o plantio de diverentes variedades muito próximas.


Preparo e Conservação

Extrato Peso/Volume: 15


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno:(Ramos e folhas), como forte digestivo e contra dor de estômago [O mentol provoca o relaxamento do canal colédoco, liberando a bílis e fazendo com que o piloro libere o alimento mais rapidamente para os intestinos], cólica, prisão de ventre, combater o vômito com chá gelado, carminativo (expele gases intestinais), antiespasmódica, antiúlcera, antiviral (determinado por ensaios científicos), (infusão,1 colher de sopa em 250 ml de água quente, esperar 10 minutos, tomar: 1 xícara em jejum, diariamente, por uma semana), específico para bronquite. Poderoso vermífugo – chá por infusão, 2 xícaras em jejum, por 1 semana. Uso externo como antibacteriano e antifúngico e antiprurido (pus). Chá morno como gargarejo, nas inflamações da boca, gengivas e mesmo em ferimentos que estão purgando.

Uso Normal:

Botsaris indica para: como antiviral [virus Echo]; antibacteriano [Salmonella]; efeito antiparasitário [Entamoeba histolyl, Giardia lamblia]; antiespasmódica de intestino; secreção de muco do trato respiratório; analgésico; neuralgia; cuidado >>efeito de contração no útero[sendo portanto abortiva]; anti-inflamatória [hesperidina]; efeito colagogo; efeito antifúngico [Tricophyton e Microsporum].

Uso Normal:

Na ilha grega de Icaria, é usado fartamente um chá composto da salvia, juntamente hortelã-rasteira e alecrim, adoçado com mel e com pequeno consumo de qualquer tipo de carne com muito uso de azeite de azeitona. Esta ilha é famosa por manter uma população bastante longeva e com boa saúde até idade avançada. [fonte: TV Globo, julho de 2014]

Características:

Planta herbácea de folhas sésseis, quase redondas, rugosas, crenadas ou denteadas, pubescentes. As flores são alvas, dispostas em espigas verticiladas. São originárias da Europa, adaptando-se bem no clima subtropical, com bastante sol e chuvas de 1300 a 2000 mm/ ano. Suportam altas temperaturas, desde que mantida a umidade do solo. Suportam baixas temperaturas mas não geadas. Pode durar até 4 anos e aceita 2 a 3 cortes por ano. Existem varias espécies de Mentha com propriedades medicinais, destacando-se: Mentha piperita, M. arvenssis, M. rotundifólia, M. spicata. A variedade Mitchum cultivada na Inglaterra tem o melhor óleo. Existe uma grande confusão de denominações da mesma planta de acordo com a região do Brasil, variando entre mentas e hortelãs.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: