Boldo-baiano (Aluman)

Nome cientifico: Vernonia condensata, Vernonia bahiensis

Sinonímia: Aluman, alumã, aloma, alumam, lumam, árvore-do-pinguço, boldo-goiano, alumã, boldo-do-goiás, alcachofra, figatil, heparé. heparém, boldo-chinês, cidreira-da-mata, boldo-japonês,

Composição Química:

Óleos essenciais, tanino, saponinas, flavonóides, lactonas sesquiterpênicas, glicosideo cardiotônico (vernonina);


Dados para Cultivo

Propagação: sementes, enrraizamento toletes ramos/raiz

Espaçamento: importada, mas hoje considerada expontânea

Época de Plantio: importada, mas hoje considerada expontânea

Época Colheita: importada, mas hoje considerada espontânea - folhas o ano todo, e capítulo floral diversas vezes ao ano, especialmente durante o florescimento,


Informações Gerais

Contra Indicações:

Quando consumido em altas doses pode produzir irritação da mucosa do estômago. Ver boldo-do-chile.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Usado nas afecções do fígado principalmente no tratamento prolongado pós-hepatite (ver uso normal), folhas, infuso. Propriedades analgésicas e como protetor gástrico tem comprovação científica.

Uso Normal:

Uso interno, infusão, 1 colher de chá de folhas picadas secas ou uma folha verde por xícara de chá, 3 xícaras por dia: supressão de gases intestinais, colesterol com taxa alta, insuficiência hepática, colicistite aguda (inflamação da vesícula), diarreia alimentar, desintoxicante do fígado, diurético, estimulante do apetite, digestão difícil. Para problemas digestivos, envolvendo estômago, fígado e vesícula, pode-se amassar 5 folhas extraindo o sumo delas, em um copo e completar com água. Esta mesma dose pode-se ter com uma infusão de 1 colher de chá de pó da planta seco e moída. Tomar 3 vezes ao dia. Tem sabor desagradável mas é muito eficiente. Para colicistite aguda; insuficiência hepática; gases intestinais; fluidificante do suco biliar; hepatoprotetor; cálculos biliares; colesterol com taxa alta; inapetência: colocar 3 colheres de sopa de folhas fatiadas em uma garrafa de vinho branco seco. Deixar em maceração por 5 dias, agitando de vez em quando e depois coar. Tomar 1 xícara de café , 30 minutos antes das principais refeições. Esta mesma dose pode-se fazer com 1 colher de sobremesa de pó da planta seco e moído na forma de infusão [chá] para 1 litro de água mineral iniciando a fervura e ferver por 5 minutos; apagar, cobrir, guardar na geladeira, e tomar 1 colher de sobremesa, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições. O chá pode ser usado por até 3-4 dias quando na geladeira.

Características:

Árvore de pequeno porte, que chega a atingir até 5 metros de altura, bem ramosa e quebradiça. As folhas são alternas , pecioladas, membranáceas e de bordo pouco serrilhado. A inflorescência em capítulos pequenos reunidos em cachos, de cor esbranquiçada e terminal. O fruto semente é um aquênio com papilo sedoso. Quando mastigada apresenta um sabor amargo, seguido de doce. Reproduz-se por estacas de galho em solo fértil, não sendo exigente quanto a fertilidade e clima. Típica de quintais e hortas. A colheita pode ser feita em qualquer época do ano, de preferência antes do surgimento da inflorescência. Provavelmente é originária da África sendo trazida para o Brasil pelos escravos de Benin e Nigéria. Tão bem adaptada que alguns autores dão como origem, Pará, Bahia, e Norte e Nordeste. Tem propriedades diferentes o Boldo-chileno (Peumus boldus).

Foto:

Foto 2:

Foto 3:

Foto 4: