Rins – Glomerulonefrites – FILTRAÇÃO GLOMERULAR

Rins – Glomerulonefrites – FILTRAÇÃO GLOMERULAR
Plantas Relacionadas na Literatura :
Grama [medicinal] , Quebra-pedra , Rubim, Sape, .
Sintomas e Causas : O que é uma Glomerulonefrite 27/07/2007
No interior dos rins existem estruturas microscópicas chamadas de glomérulos, que filtram o sangue e eliminam todas as substâncias indesejáveis por meio da urina. Existem aproximadamente um milhão de glomérulos em cada rim. A glomerulonefrite, ou simplesmente nefrite, é o resultado de uma inflamação dessas estruturas renais. Normalmente, a inflamação se origina de um fenômeno imunológico. Quando uma substância estranha – antígeno – entra na circulação e é levada aos setores de defesa do corpo, o organismo produz um anticorpo para se defender desse antígeno “agressor”. A reunião dessas duas substâncias forma um complexo antígeno-anticorpo que pode causar inflamações. Quando o glomérulo é o tecido atingido, a lesão inflamatória chama-se glomerulonefrite. As causas mais comuns de glomerulonefrites são infecções provocadas por qualquer vírus ou bactéria que forme o complexo antígeno-anticorpo e o precipite no rim. Há também causas não-infecciosas provocadas por doenças de vários órgãos ou por medicamentos que liberam antígenos e desencadeiam o mecanismo imunológico que leva à nefrite. O diagnóstico pode ser feito em uma consulta de rotina, quando o médico observa os sintomas no paciente, e por meio de exames laboratoriais como uréia, creatinina, urina e, ainda, ultra-som e biópsia renal. “Quando o paciente relata ao médico que sua urina está diminuída e de cor avermelhada, apresenta inchaço nos olhos ou nas pernas e hipertensão, o médico começa a suspeitar que ele está com uma glomerulonefrite.
Os exames confirmam o sangue na urina (hematúria) e a proteinúria”, diz o nefrologista do Hospital e Maternidade Brasil, Dr. Pedro Dotto. A glomerulonefrite pode ser crônica ou aguda. Na fase aguda, os dados clínicos e laboratoriais são visíveis. Na fase crônica, podem manifestar-se fracamente, mas em alguns casos, já pode haver sinais da insuficiência renal. “Existem glomerulonefrites que estão associadas a algumas doenças metabólicas, como por exemplo, Diabetes Melitus. Muitas vezes, somente a biópsia renal pode nos afirmar que a doença é realmente uma glomerulonefrite e nos confirmar seu estágio”, ressalta o médico. Geralmente as nefrites agudas são reversíveis. “Primeiro são tratados os sintomas, onde se recomenda dieta pobre em sal e proteínas, controle da pressão, uso de diuréticos e imunossupressores, quando há envolvimento imunológico. Quando já existem lesões crônicas, além de amenizar as complicações, o tratamento é o de sustentação e impedimento do avanço dessas lesões”, completa o Dr. Pedro. Os pacientes que têm essa doença devem receber as orientações terapêuticas adequadas dos médicos nefrologistas. Fonte: http://www.hospitalbrasil.com.br/noticias_glomerulonefrite

Tratamentos Fitoterápicos Propostos

Tratamentos Propostos : Segundo Dr. Degmar, usar: Cipó-cabeludo (Mycania hirsuta), folhas, infuso; Chapéu-de-couro (Echinodorus grandiflorus), folhas, infuso; Milirramas (Achillea millefolium), folhas, infuso; Aipo (Apium graveolens), suco; Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae), entrecasca, decocto; Rubim ou Erva-macaé (Leonurus sibiricus), planta toda, chá ou tintura (com ação preventiva). A literatura cita a planta sapé

[www.portaleducacao.com.br]