Candidíase -chá de pau-darco- [1]

Receita 1:

O chá feito da casca do pau-darco (Tecoma curialis), árvore que só dá nas nossas florestas tropicais, é coadjuvante no tratamento da candidíase. Não se espante se, após as primeiras xícaras, os sintomas piorarem – é uma reação natural que desaparece em poucos dias, e os depoimentos dão conta de que se segue um grande bem-estar físico e mental. O pau-darco é tido como poderoso e usado desde a civilização inca no combate às infecções e ao câncer. As pessoas quimicamente sensíveis suportam melhor a variedade Tecoma curialis do que a Tecoma conspicua. Dosagem: 15 a 20 gr da casca, fervida durante 15 minutos em meio litro dágua, 3 a 4 xícaras por dia. Nos Estados Unidos, onde já se tornou popular, o pau-darco é vendido também sob os nomes de taheebo e lapacho.
Também vendem ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa) como pau-darco. Bérberis (Berberis vulgaris) também é um remédio popular antigo, valioso contra diarreias e infecções intestinais de qualquer tipo; sua atividade antibiótica está bem documentada, e sabe-se que normaliza a flora intestinal, eliminado agentes patogênicos e controlando o crescimento da cândida, mesmo após uso prolongado de antibióticos. Também é imunoestimulante, com ação específica sobre o fluxo de sangue para o baço, o que resulta num formidável aumento de substâncias que reforçam a imunidade. Além disso mostrou ser um poderoso ativador das células macrófagas, que destroem fungos, bactérias, vírus e células cancerosas. Outros remédios herbais com propriedades próximas às do Bérberis são a Hydrastis canadensis e o Berberis aquifolium. Dosagem mais usada: se for tintura, diluição 1:5, tome 1 colher de chá 3 vezes ao dia, em água. Tabletes homeopáticos ou gotas de Bérberis 3x, cinco de 8 em 8 horas.
O QUE FECHA O CORPO Se você fosse uma casa, o sistema imunológico seria ao mesmo tempo portão, cerca, tinta, verniz, telhado, janela, cachorro bravo, alarme, grama, jardineiro, árvores, poço, chave, luz – tudo o que protege a casa permitindo que ela funcione. A imagem do cão de guarda combina. Os pedestres pacíficos ele só olha com o rabo do olho. Aos barulhentos ele reage latindo e rosnando. Os que ousam invadir, ele morde. A imunidade ainda é um cestinho de perguntas sem resposta para a medicina ocidental. Anatomicamente ela depende de glândulas, gânglios, células e fluidos que limpam o organismo e reciclam nossa matéria orgânica
The Missing Diagnosis, C. Orian Truss, P.O. Box 26508, Birmingham, Alabama, 1983. The Yeast Syndrome, John Parks Trowbridge, MD, and Morton Walker, DPM, Bantam Books, NY, 1986.