Arnica-mineira

Nome cientifico: Lychnophora pinaster Mart.[Ufla-Faepe- Pereira Pinto}

Sinonímia: Arnica

Composição Química:

Flavonoides (Ufla-Faepe- Pereira Pinto).
O estudo químico das partes aéreas do extrato hexânico de Lychnophora pinaster forneceu, além de outras substâncias, o isômero E do ácido licnofórico, um sesquiterpeno anteriormente isolado de L. affinis.
Atribuição completa e inequívoca dos sinais de deslocamento químico dos átomos de carbono e hidrogênio do ácido licnofórico extraído de Lychnophora pinaster. Eclética Química
Print version ISSN 0100-4670
Eclet. Quím. vol.30 no.1 São Paulo 2005
doi: 10.1590/S0100-46702005000100005
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-46702005000100005


Dados para Cultivo

Propagação: Por sementes [muito difícil a sua propagação]. (Ufla-Faepe- Pereira Pinto).

Espaçamento: Planta nativa.

Época de Plantio: Verão chuvoso.

Época Colheita: Ano todo ou melhor em períodos de início de florescimento.


Informações Gerais

Contra Indicações:

Não usar internamente sem cuidados médicos pois é hepatotóxica [www.plantamed.com.br].

Observações:

Ver dados de propagação em www.abhorticultura.com.br.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Contusões, inchaços, antiinflamatório, anestésico,ciacatrizante, hematomas.
Usa-se fazer uma pomada para utilizar em contusões. Cataplasma : uma xícara de chá de ramos com folhas para 2 xícaras de água fervente. Aplicar nos locais afetados após esfriar. Compressas: 2 xícaras de chá de ramos cortados para 1/2 litro de água. Esfriar e aplicar 3 vezes ao dia por 15 minutos.
Forma farmaceuticas habituais: infusão e extrato. Uso de ramos e folhas.
[Ufla-Faepe- Pereira Pinto}

Uso Normal:

ESTUDO PROMISSOR: A tripanossomíase, conhecida popularmente como Doença de Chagas, é uma das protozooses de maior incidência e endemia, afetando anualmente de 15 a 20 milhões de pessoas na América. A doença pode tornar-se fatal quando não tratada, sendo a principal causa de cardiopatia na América do Sul. Os medicamentos atualmente utilizados para seu tratamento apresentam sérios graves efeitos colaterais e agem apenas como paliativos na redução da infecção. Estudos etnofarmacológicos indicaram o uso de extratos de espécies do gênero Lychnophora (Asteraceae)[Arnicas sp] no tratamento dessa doença, além de serem empregados como analgésicos, antiinflamatórios e anti-reumáticos.

O extrato ECA forneceu uma mistura de hidrocarbonetos alifáticos, acetato de baurenila, friedelina, mistura de alfa-amirina e lupeol, mistura de estigmasterol e beta-sitosterol. A fração em diclorometano do EFL forneceu uma mistura de estigmasterol e beta-sitosterol. Testes antimicrobianos do EFO e de suas frações em diclorometano forneceram resultados positivos frente a Staphylococcus aureus possibilitando o direcionamento do estudo no intuito de purificar as frações com potentes atividades antimicrobianas. Os ensaios in vitro com tripomastigotas sanguíneos apresentaram resultados positivos das frações em acetato de etila do EFO e frações em hexano, acetato de etila e etanol do EFL. http://www.radarciencia.org/doc/estudo-fitoquímico-e-biologico-das-folhas-caule-e-flores-de-lychnophora-pinaster-mart/o2ScYJWcLzkco3EyL2SxnJqcqTSfYaIzoJphLaVgGIERZxWFYIATH0RgBQuHHR5I/

Características:

Fam.: Asteraceae [composidae]
Origem brasileira; é uma planta bastante ramificada, atingindo até 2 m de altura,; ramos cilindricos, folhas simples, séssil lineares, estreitas, alterna espiralada. Seus ramos são parecidos com o pinheiro.Ocorrem em solos superficiais retidos em arenitos. è de dificil propagação. Caracteriza-se pela presença de capítulos em gromerulos congestos apicais (Ufla-Faepe- Pereira Pinto).

Foto:

Foto 2:

Foto 3:

Foto 4: