Vias de administração dos medicamentos

Significado

As vias de administração de farmacos podem ser a grosso modo divididas em:

Tópica: efeito local; a substância é aplicada diretamente onde deseja-se sua ação
Enteral: efeito sistêmico (não-local); recebe-se a substância via trato digestivo
Parenteral: efeito sistêmico; recebe-se a substância por outra forma que não pelo trato digestivo
A agência FDA americana reconhece 111 tipos diferentes de vias de administração. A seguir está uma lista breve de algumas delas.

[editar] Tópicaepidérmica (aplicação sobre a pele), p. ex. teste de alergia, anestesia local tópica
inalável, p. ex. medicamentos para asma
enema, p. ex. meio de contraste para imagem digestiva
colírios (sobre a conjuntiva), p. ex. antibióticos para conjuntivite
gotas otológicas, como antibióticos e corticóides para otite externa
intranasal, p. ex. spray descongestionante nasal
[editar] Enteralpela boca (oralmente- per os), muitas drogas na forma de tabletes, cápsulas ou gotas
por tubo gástrico, tubo de alimentação duodenal ou gastrostomia, diversas drogas e nutrição enteral
pelo reto, várias drogas em forma de supositório ou enema
[editar] Parenteral por injeção ou infusãoinjeção intravenosa (na veia), p. ex. várias drogas, nutrição parenteral total
injeção intra-arterial (na artéria), p. ex. drogas vasodilatadoras para o tratamento de vasoespasmos e drogas trombolíticas para o tratamento de embolia
injeção intramuscular (no músculo), p. ex. várias vacinas, antibióticos e agentes psicoativos de longa duração.
injeção intracardíaca
injeção subcutânea (sob a pele), p. ex. insulina
infusão intraóssea (na medula óssea) é um acesso intravenoso indireto porque a medula óssea acaba no sistema circulatório. Esta via é usada ocasionalmente para drogas e fluidos na medicina de emergência e na pediatria, quando o acesso intravenoso é difícil
injeção intradérmica, (na própria pele) é usada para teste de pele de alguns alergênicos e também para tatuagens
injeção intraperitoneal, (no peritônio) é predominantemente usada na medicina veterinária e no teste de animais para a administração de drogas sistêmicas e fluidos, devido à facilidade de administração comparada com outros métodos parenterais.
[editar] Parenteral (que não por injeção ou infusão)transdérmica (difusão através da pele intacta), p. ex. emplastro de opióide transdérmico para terapia da dor
transmucosa (difusão através de uma membrana mucosa), p. ex. inalação de cocaína, nitroglicerina sublingual
inalável, p. ex. inalação de anestésicos.
[editar] Outrasintraperitoneal (infusão ou injeção na cavidade peritoneal), p. ex. diálise peritoneal
epidural (sinônimo: peridural) (injeção ou infusão no espaço epidural), p. ex. anestesia epidural
intratecal (injeção ou infusão no fluido cerebroespinhal), p. ex. antibióticos, anestesia espinhal ou anestesia geral
[editar] UsosAlgumas vias de administração podem ser usadas tanto para propósitos tópicos quanto sistêmicos, dependendo das circunstâncias. Por exemplo, a inalação de drogas para asma visa agir sobre as vias aéreas (efeito tópico), enquanto que a mesma inalação, porém, de anestésicos voláteis visa agir sobre o cérebro (efeito sistêmico).

Por outro lado, uma mesma droga pode produzir diferentes resultados dependendo da via de administração. Por exemplo, algumas drogas não são absorvidas significativamente na corrente sangüínea a partir do trato gastrointestinal e, por isso, sua ação após administração enteral é diferente daquela após administração parenteral. Isto pode ser ilustrado pela ação da naloxona, um antagonista de opiáceos como a morfina. A naxolona contra-ataca a ação do opiáceo, no sistema nervoso central, quando administrado por via intravenosa e por isso é usada no tratamento de overdose de opiáceos. A mesma droga, porém, quando engolida, age exclusivamente no sistema digestivo; é assim usado para tratar constipações sob terapia da dor com opiáceos e não afeta o efeito de redução da dor causado pelo opiá