Tabagismo/dependência da nicotina: antitóxico contra nicotina ; ajuda a parar de fumar

Plantas Relacionadas na Literatura : Acônito, Doril , Agrião [agrião-de-terra-enxuta], Alho, Café; Cafeeiro , Calêndula, Canela-do-ceilão, Doril (acônito-do-mato)+, Lobélia, Maracujá (várias espécies Passiflora spp) , Tanchagem;  .
Sintomas e Causas : TABAGISMO – O Mal da Destruição em Massa. O tabagismo é o ato de se consumir cigarros ou outros produtos que contenham tabaco, cuja droga ou princípio ativo é a nicotina. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o tabagismo deve ser considerado uma pandemia, ou seja, uma epidemia generalizada, e como tal precisa ser combatido. Apresento-lhes o “Cigarro” A fumaça do cigarro é uma mistura de aproximadamente 4.720 substâncias tóxicas diferentes; que se constitui de duas fases fundamentais: a fase particulada e a fase gasosa. Na fase gasosa é composta, entre outros por monóxido de carbono, amônia, cetonas, formaldeído, acetaldeído, acroleína. A fase particulada contém nicotina e alcatrão. Essas substâncias tóxicas atuam sobre os mais diversos sistemas e órgãos, contém mais de 60 cancerígenos, sendo as principais citadas abaixo: Nicotina – é a causadora do vício e cancerígena; Benzopireno – substância que facilita a combustão existente no papel que envolve o fumo; Substâncias Radioativas – polônio 210 e carbono 14; Agrotóxicos – DDT; Solvente – benzeno; Metais Pesados – chumbo e o cádmio (um cigarro contém de 1 a 2 mg, concentrando-se no fígado, rins e pulmões, tendo meia-vida de 10 a 30 anos, o que leva a perda de capacidade ventilatória dos pulmões, além de causar dispneia, enfisema, fibrose pulmonar, hipertensão, câncer nos pulmões, próstata, rins e estômago); Níquel e Arsênico – armazenam-se no fígado e rins, coração, pulmões, ossos e dentes resultando em gangrena dos pés, causando danos ao miocárdio etc..; O tabaco e seus derivados: O tabaco pode ser usado de diversas maneiras de acordo com sua forma de apresentação: inalado (cigarro, charuto, cigarro de palha); aspirado (rapé); mascado (fumo-de-rolo), porém sob todas as formas ele é maléfico à saúde. Doenças causadas pelo uso de derivados de tabaco. O tabagismo causa cerca de 50 doenças diferentes, principalmente as doenças cardiovasculares tais como: a hipertensão, o infarto, a angina, e o derrame. É responsável por muitas mortes por câncer de pulmão, de boca, laringe, esôfago, estômago, pâncreas, rim e bexiga e pelas doenças respiratórias obstrutivas como a bronquite crônica e o enfisema pulmonar. O tabaco diminui as defesas do organismo e com isso o fumante tende a aumentar a incidência de adquirir doenças como a gripe e a tuberculose. O tabaco também causa impotência sexual.Porque fumar? Existem vários fatores que levam as pessoas a experimentar o cigarro ou outros derivados do tabaco. A maioria delas é influenciada principalmente pela publicidade do cigarro nos meios de comunicação. No caso dos jovens ainda é pior porque além das propagandas pelos meios de comunicação, pais, professores, ídolos e amigos também exercem uma grande influência. Antes dos 19 anos de idade o jovem está na fase de construção de sua personalidade. Pesquisas mostram que a maioria dos adolescentes fumantes iniciou a fumar justamente nesta faixa de idade, isto quer dizer que o principal fator que favorece o tabagismo entre os jovens é, principalmente, a necessidade de auto-afirmação. A algum tempo atrás a publicidade manipulava psicologicamente levando diferentes grupos (adolescentes, mulheres, indivíduos de baixo poder aquisitivo, etc) que acreditavam que o tabagismo era muito mais comum e socialmente aceito do que era na realidade e através das demandas sociais e das fantasias dos comerciais que usavam mulheres bonitas, bem vestidas, homens fortes, bonitos, jovens curtindo a natureza ou em festas muito bem acompanhados todos estes personagens fazendo uso do cigarro. Hoje, este tipo de publicidade foi proibido no Brasil. A lei 10.167 restringe a propaganda de cigarros e derivados do Fumar durante a gravidez? Nem pensar,
FUMAR DURANTE A GRAVIDEZ traz sérios riscos para a gestante como também aumenta o risco de mortalidade fetal e infantil, estes riscos se devem, principalmente, aos efeitos do monóxido de carbono e da nicotina exercidos sobre o feto, após a absorção pelo organismo materno. Estes riscos são: · Abortos espontâneos; · Nascimentos prematuros; · Bebês de baixo peso; · Mortes fetais e de recém-nascidos; · Gravidez tubária; · Deslocamento prematuro da placenta; ·
Placenta prévia e · Episódios de sangramento. Comparando-se a gestante que fuma com a que não fuma, a gestante fumante apresenta mais complicações durante o parto e têm o dobro de chances de ter um bebê de menor peso e menor comprimento. A gestante que fuma, com um único cigarro fumado acelerar em poucos minutos, os batimentos cardíacos do feto, devido ao efeito da nicotina sobre o seu aparelho cardiovascular. Imagine a extensão dos danos causados ao feto, com o uso regular de cigarros pela gestante. A gestante, o parto e a criança também estão expostos a estes riscos quando a gestante é obrigada a viver em ambiente poluído pela fumaça do cigarro (fumante passiva), absorvendo substâncias tóxicas da fumaça, que pelo sangue passa para o feto. Assim como a mãe que fuma durante a amamentação, a nicotina passa pelo leite que é ingerido pela criança. O que é ser um fumante passivo? É o indivíduo que convive com fumantes e inalam a fumaça de derivados do tabaco em ambientes fechados. Poluição Tabagística Ambiental (PTA), é a poluição decorrente da fumaça dos derivados do tabaco em ambientes fechados e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é a maior responsável pela poluição nestes ambientes. Pesquisas mostram que o tabagismo passivo é estimado como a 3ª maior causa de morte evitável no mundo, só perdendo para o tabagismo ativo e o consumo excessivo de álcool.
Os não fumantes que respiram a fumaça do tabaco têm um risco maior de desenvolver doenças relacionadas ao tabagismo. Quanto maior o tempo em que o não fumante fica exposto à poluição tabagística ambiental, maior a chance de adoecer. As crianças, por terem uma freqüência respiratória mais elevada, são mais atingidas, sofrendo conseqüências drásticas na sua saúde, incluindo doenças como a bronquite, pneumonia, asma e infecções do ouvido médio. Só os fumantes não acreditam que são: · Nove mortes por hora. · 80 mil por ano. · 90% dos casos de câncer de pulmão. · 80% dos enfisemas pulmonares. · 25% dos infartos de miocárdio. · 40% dos derrames cerebrais. · 10 milhões de pessoas vão morrer nos próximos 30 anos, nas Américas. · Quatro milhões morrem por ano. Métodos para acabar com o vício Hoje, já existem no mercado diversos métodos para acabar com o vício do cigarro, basta querer e ter força de vontade.
Citaremos alguns destes métodos: · Goma de mascar com nicotina – são pastilhas que liberam pequenas doses de nicotina diminuindo os sintomas da abstinência. ·
Skin Paches – são pequenos adesivos que colados à pele, liberam mais nicotina do que a goma de mascar. ·
Spray nasal – este spray libera menos nicotina que a goma e os patches, mas chega mais rápido ao sistema circulatório. ·
– o inalante tem a mesma forma do cigarro, o que leva o indivíduo a achar que está fumando, pois imita o gesto mão-para-boca do fumante só que com 1/3 da nicotina do cigarro. ·
Zyban – este é um método sem nicotina, trata-se de uma droga antidepressiva que auxilia nas crises de abstinência. Todos estes métodos devem ser receitado e terem acompanhamento médico.
Referências Bibliográficas: Aleixo Neto, A. Efeitos do fumo na gravidez. Ver. Saúde Pública, São Paulo, 24:420-4, 1990. Doll R, Peto R. 9ª Conferência Mundial sobre Tabaco e saúde. Paris, 1994. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação Nacional de Controle de Tabagismo e Prevenção Primária – CONTAPP. “Falando Sobre Tabagismo”. Rio de Janeiro, 1996. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer – INCA. Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 2002. World Health Organization. World no-Tobacco Day. Tobacco Alert, 1996. International Agency of Reaserch in Cancer (IARC). Environmental Carcinogens mathods of analysis and exposure measurement. Passive Smoking. Vol 9, Scientific Publications n.31, Lyon, France 1987. Rosemberg, J. Tabagismo, sério problema de saúde pública 2 ed. Almed Editora e Livraria Ltda. 1987. U.S. Department of Health and Human Services. The health consequences of involuntary smoking. A report of the Surgeon General. Washington DC; U.S. Government Printing Office, 1986. U.S. Departament Of Health and Human Services. The health consequences of smoking: cardiovascular disease. Maryland, EUA. : CDC, 1984, n. 84-50204, p. 7-8, 109, 1984. Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas. IV Levantamento sobre o Uso de Drogas entre Estudantes de 1º e 2º graus em 10 Capitais Brasileira. UNIFESP, 1997. fonte:www.fiocruz.com.br
.

Tratamentos Fitoterápicos Propostos

Tratamentos Propostos : Segundo Dr. Degmar: Alho (Allium sativum), bulbo cru nas refeições para desintoxicar da nicotina, e as plantas: para ajudar: Tanchagem (Plantago major), folhas, tintura, suco; Acônito, Doril (Aconitum napelus), folhas, D2 a D3 (homeopatia), para uso interno pela sua toxidade; Lobélia (Lobelia inflata), folhas, D1 (homeopatia), Calêndula (Calendula officinalis), flor para gargarejos várias vezes ao dia.
Segundo Teles: A lobélia contém uma substância chamada lobelina, que é tão parecida quimicamente com a nicotina que “engana o organismo humano” fazendo que o mesmo sinta que consumiu nicotina e então diminua a vontade de fumar (adquirir nicotina para satisfazer o “estoque” deste composto). Assim o uso controlado desta planta pode diminuir ou mesmo eliminar a necessidade de consumo de cigarros para manter o hábito do organismo de ter a nicotina como seu componente metabólico (vício de fumar). Contudo, a lobélia tem outros compostos (alguns extremamente eficientes em tratamentos de doenças pulmonares), mas infelizmente, contém também uma substância com desempenho curarizante (semelhante ao do curare) ou seja, atua no sistema nervoso central diminuindo ou mesmo fazendo parar os estímulos nervosos que atuam sem a nossa participação, no processo respiratório, movimentando os pulmões e fazendo ocorrer a entrada de ar nos mesmo, provocando até a morte!. Portanto para seu uso é necessário o conhecimento da dose adequada para que não ocorra o risco da curarização, sendo portanto a melhor conduta o acompanhamento de médico pneumologista associado a um fitoterapeuta para determinar a melhor dose nesta terapia.
Uso do sal Brupropiona para diminuir a vontade de assimilar nicotica [vício de fumar]. A bupropiona é um antidepressivo com ação farmacológica primária de inibição da recaptação das monoaminas como a dopamina e a adrenalina Para que serve ? Suas principais indicações são para o tratamento da depressão e da dependência a nicotina. Como é usado ? A dose recomendada é de 300 mg por dia distribuídas em três tomadas ao longo do dia e não se recomenda doses superiores a 450mg
Efeitos A bupropiona possui um efeito antidepressivo equivalente aos demais antidepressivos mas seu perfil único permite que seja usado em casos especiais e evitado em outros. As situações em que a bupropiona é especialmente útil são para os casos de depressão em que o paciente sofreu sérios efeitos colaterais de inibição da libido ou sobre o desempenho sexual diretamente. A bupropiona caracteriza-se por não afetar as funções sexuais como os antidepressivos costumam fazer de modo relativamente intenso. Outra vantagem que pode ser obtida com a bupropiona é o efeito inibidor do desejo pela nicotina. Muitas pessoas após várias tentativas fracassadas de interromper o uso do cigarro alcançam bons resultados com relativa facilidade mediante o uso da bupropiona. Por outro lado esta medicação é contra-indicada para pacientes epiléticos, salvo em situação específica sob orientação médica. Para pacientes em uso de antidepressivos do tipo IMAO irreversíveis a indicação é absoluta. Última Atualização: 24-07-2005 Ref. Bibliograf.: Psychopharmacology The Third Generation of Progress 3º Ed 1987 Herbert Y Meltzer

Durante o tratamento, evitar o consumo de alimentos excitantes (café, chá, chocolate, bebidas tipo cola, refrigerantes tipo diet, carne vermelha, temperos fortes, etc.

Dieta e Cuidados Recomendados : Durante o tratamento, evitar o consumo de alimentos excitantes (café, chá, chocolate, bebidas tipo cola, refrigerantes tipo diet, carne vermelha, temperos fortes, etc