Erva-lobrigueira

Nome cientifico: Spigelia anthelmia L.

Sinonímia: Arapabaca, arapabaca-de-cheiro, erva-formigueira, lombrigueira

Composição Química:

Spigelina, ascaridiol, isoquinolina, um iridóide do tipo actinidina (carditônico ativo)


Dados para Cultivo

Propagação: planta nativa fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira

Espaçamento: planta nativa

Época de Plantio: planta nativa

Época Colheita: planta toda (raiz é mais ativa): ano todo


Informações Gerais

Contra Indicações:

Em doses elevadas é tóxica (acima de 3 gramas). Em 1985 determinou-se que no seu extrato aquoso, a dose letal DL50 foi de 222 mg/kg de peso vivo. 

fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira

Observações:

As folhas esparramadas no chão afugentam as baratas e possivelmente tenham ação inseticida e repelente mesmo na forma de plantas secas.

fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso popular, planta inteira, como decoto, poderoso vermífugo. Doses elevadas pode ser tóxico. Raízes são mais ativas. 

fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira

Uso Normal:

Uso popular na Amazônia sem comprovação científica ainda. Como catártica (purgante enégico) e vermífuga; na forma de decoto.

.  fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira

Características:

É nativa do Brasil e América tropical, sendo por muitos considerada erva daninha na agricultura e pecuária. Erva anual. Ereta, poucos ramos, caule oco e glabro, com 30 cm altura, folhas simples membranáceas, opostas, com nervuras salientes na parte inferior, flores pequenas, cor violácea-clara, dispostas em espigas terminais.

fonte: ufla-fapepe; pinto; santiago; lameira

Foto:

Foto 2:

Foto 3: