Transtorno emocional: medo inato g*

Plantas Relacionadas na Literatura : Alecrim, Artemísia comum (Isopo santo), Camomila +, Maracujá (várias espécies Passiflora spp) +, Melissa [erva-cidreira-verdadeira] ++ sf, Mulungu ++, .
Sintomas e Causas : Revista Brasileira de Psiquiatria Versão impressa ISSN 1516-4446 Rev. Bras. Psiquiatr. vol.25 suppl.2 São Paulo dezembro 2003 http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462003000600005 Análise Crítica dos Sistemas neurais envolvidos NAS respostas de Medo Inato Newton Sabino Canteras Departamento de Fisiologia e Biofísica, Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil RESUMO O Nosso entendimento das bases neurofisiológicas da Reação emocional do Medo, baseia-se em grande parte nos estudos que envolvem respostas de animais condicionadas fisicamente um Estímulos aversivos, como, por exemplo, o choque elétrico nas patas. Enquanto este paradigma parece ser util, quando avaliarmos os sistemas neurais envolvidos na resposta do, assim chamado, Medo Condicionado (Opaco: Tipicamente tem se limitado à observação da resposta de congelamento), Este paradigma Parece ter sérias Limitações quando investigarmos como bases neurais das respostas de Medo em circunstancias Naturais. Trabalhos RECENTES utilizando Técnicas de lesões neurais Bem Como de Mapeamento funcional em animais Expostos a um predador aturais , OU somente AO odor Destes predadores, revelam UMA Série de Estruturas neurais responsáveis ​​Como Pelas respostas de Medo Inato, Bastante distintas daquelas Previamente implicadas NAS respostas de condicionamento aversivo . Como revisto no Trabalho Presente, Entre estás Estruturas temos distritos diferenciados da zona medial do hipotálamo; setores Específicos da amidala e fazer septo-hipocampal Sistema, envolvidos, respectivamente no Processamento de pistas Relacionadas à Presença do predador e no analisar contextual do Ambiente; de setores da área cinzenta periaquedutal da Matéria, ja classicamente envolvidos na Expressão de respostas de Defesa. Estas Informações podem Ser potencialmente IMPORTANTES Pará a Análise e Terapêutica de psicopatologias Relacionadas Ao Distúrbios da Reação emocional de Medo. Descritores: Medo. Ansiedade. Comportamento de Defesa. Medo Condicionado. Amidala. Hipotálamo. Matéria Cinzenta Periaquedutal. ————————————————- RESUMO Incondicionados respostas emocionais induzidas pela exposição a um predador ter servido como o exemplo prototípico para análises da biologia comportamental do medo relacionado com emotividade. No entanto, o modelo de pesquisa primária para o estudo do medo tem envolvido choque baseado cue e condicionamento de contexto. Enquanto estes modelos baseados em choque deram um bom entendimento dos sistemas neurais que regulam específicas condicionado medo comportamentos relacionados (normalmente congelamento), não se sabe se os sistemas neurais subjacentes uma série de reações defensivas para inatas, incondicionada estímulos de ameaça indolores, e condicionado a estes estímulos, são os mesmos como aqueles envolvidos em estado de choque do pé e da sua sequelas condicionamento. Trabalhos recentes envolvendo as lesões e c-Fos de activação em conjunto com predador ou exposição odor predador sugerem específicos sistemas neurais para a resposta a estes, potencialmente diferente dos sistemas descritos na estudos de condicionamento pavlovianos medo. Conforme descrito na presente revisão, estes sistemas incluem o circuito hipotalâmico medial defensiva; específicos da amídala e septo-hipocampal, envolvidos, respectivamente no processamento de pistas relacionadas à presença do predador e análise contextual do ambiente; ea substância cinzenta periaquedutal, conhecido por ser crítico envolvidos na expressão de predador as respostas induzidas. Esta informação pode ser potencialmente importante na análise de defesa relacionados com psicopatologias e no desenho de intervenções terapêuticas para eles. Palavras-chave: medo. Ansiedade. Comportamento defensivo. O condicionamento do medo. Amígdala. Hipotálamo. Matéria cinzenta periaquedutal .. ——————————————————————————– Introdução A Pesquisa dos mecanismos neurais envolvidos nd Elaboração das Emoções TEM NAS crescido Ultimas Décadas. Este Fato SE DEVE los à grande Parte DEFINIÇÃO de Sistemas neurais e Eventos moleculares RELACIONADOS como repostas de Medo Condicionado obtidas Partir de um condicionamento Pavloviano Clássico, não hum qua Estímulo fisicamente aversivo pareado (Como, Por Exemplo, choque elétrico NAS patas) e um hum Estímulo neutro (Como, Por Exemplo, hum Estímulo Visual OU auditivo) OU UM um Contexto Específico (Como, Por Exemplo, o local, Onde o animal, recebeu o choque elétrico). Em seguida, uma isolada Apresentação do Estímulo neutro OU DO Contexto, Previamente pareado AO Estímulo aversivo, ira provocar UMA Reação comportamental Muito Caracteristica de congelamento motor, Bem Como alterações vegetativas Diversas, não consideradas Conjunto Como Sendo uma RESPOSTA de Medo Condicionado. 1 Tem SIDO aceito POR Diversos pesquisadores Que Este paradigma usando o condicionamento Pavloviano Clássico séria Muito conveniente explorarmos o parágrafo pelo substrato neural do Medo Que ocorre in situações Naturais, Como uma Exposição alguns predadores. Diversos Estudos demonstraram Que o Núcleo Central da amidala TEM UM Papel chave parágrafo organizar como respostas de Medo Condicionado EAo Estímulos fisicamente aversivos. Lesões deste sítio neural abolem Tanto como respostas somatomotoras (congelamento) Como vegetativas Relacionadas à RESPOSTA condicionada. 1 Contudo, this Núcleo amidaliano Parece nao Estar envolvido nd Organização das respostas comportamentais in situações Naturais Que evocam Medo Inato, Como Durante uma Exposição hum um predador natural, , quando, como lesões do Núcleo Central da amidala parecem nao influenciar como respostas comportamentais de fuga e de congelamento motor (B. De Oca, comunicação pessoal). Na Verdade, OS ESTUDOS Que usam o condicionamento Pavloviano Clássico temperatura Diversas Limitações parágrafo explorar o entendimento dos Sistemas neurais ligados à Expressão emocional do Medo. A Maior limitação e Opaco Estes Estudos lidam com o condicionamento uma reposta aversiva UMA, Que nao necessariamente provocativa Medo, tal Como o choque elétrico NAS patas. DESTA forma, FICA Claro Que uma Análise dos Sistemas neurais envolvidos in hum condicionamento emocional aversivo usando hum Estímulo doloroso Como nao Condicionado DEVE Ser Ampliada com o entendimento dos Sistemas neurais envolvidos nd Organização das repostas emocionais de Medo Inato (Medo incondicionado). Medo Inato – Paradigma de Exposição AO predador natural, Estudos do casal Blanchard descrevem in Detalhes OS Padrões defensivos dos Ratos Selvagens e Laboratório de in RESPOSTA EAo e EAo predadores odores dos predadores, provendo UMA Análise detalhada dos comportamentos de Defesa inata e das situações in Que eles ocorrem. 2-9 A RESPOSTA de Defesa natural (incondicionada) dos roedores Consiste das seguintes Reações: escape, congelamento motor, ameaça defensiva, Ataque defensivo e Avaliação de Risco. Sem Dúvida, Uma Série de outras Reações defensivas ainda precisam Ser descritas e estudadas. E de suma importância salientarmos Que Estes comportamentos São Expressos de forma semelhante in TODAS As espécies de Mamiferos. 10 O Fato de Serém incondicionados implicações Que CADA UMA Destas respostas PoDE Ser eliciada in Ratos Selvagens OU SEM Laboratório de Experiência prévia. Particularmente in roedores, uma Exposição de Ratos AO gato produz congelamento do motor pronunciado, comportamentos de esquiva e Elementos de Avaliação de Risco, Taís Como Orientação AO predador, compatíveis com uma esquiva EO congelamento motor. 2,3 A RESPOSTA AO gato tambem inclui Fenômenos adicionais Como analgesia 11 e alterações hipocampais Plásticas. 12 Quando o gato e removido do Ambiente, observa-SE UMA INTENSA Reação de Avaliação de Risco Bem Como, in Menor grau, respostas de congelamento do motor e esquiva. 5 Como repostas à Exposição AO gato São Muito resistentes à habituação, e apresentam hum alto Grau de condicionamento contextual local não Onde ocorreu uma Exposição. 13 Identificação dos Sistemas neurais envolvidos NA RESPOSTA de Medo Inato (incondicionado) Estudos de Nosso Laboratório nsa quais examinamos o Padrão de Expressão da Proteína Fos (um marcador de Atividade neuronal) nd Amidala, hipotálamo de e cinzenta periaquedutal materia in Ratos Expostos Ao não desprezíveis Gato revelam Consistentes Dados Bastante Pará a elucidação do correlato neural das respostas de Defesa inata induzidas POR UM predador natural. 14-18 Amidala A amidala FOI UM dos Primeiros sitios neurais não resultaram lesões qua NUMA diminuição De RESPOSTA de Defesa de Ratos in RESPOSTA AO predador. 3 Experimentos De Nosso Laboratorio revelaram nsa Ratos Expostos AO gato hum aumento significativo da Expressão de Fos não posteroventral Região do Núcleo dA medial Amidala (MEApv), nd posterior Região do Núcleo basomedial da Amidala (BMAP) e nd Região caudal do Núcleo laterais da Amidala (LA). Segundo Dielenberg e colaboradores, 19 o MEApv e particularmente responsivo odor AO fazer gato, sugerindo Que ESTA Região amidaliana estabele envolvida no Processamento de pistas ferormonais não odor do predador. Por Outro Lado, Tanto o BMAP Como o LA nao parecem Ser mobilizados in RESPOSTA AO odor do predador. 19 Acreditamos Que estás Duas Ultimas Estruturas amigdalianas estao provavelmente envolvidas nd Integração de outras Informações relevantes Pará a Percepção do predador. Em um Suporte ESTA Hipótese temos inicialmente Que o BMAP e intensamente aferentado Pelo LA, e Que Este Conjunto de Estruturas, POR SUA Vez, integra Informações dos córtices insular, prefrontal e temporal, 20 potencialmente ligadas AO Processamento cognitivo isocortal Relativo à Presença do predador. Achados preliminares de Nosso Laboratório tambem indicam Que uma Exposição AO gato induz aumento nd nd Expressão de Fos Parte laterais do Núcleo Central da Amidala (CEAL). Todavia, Diversos Estudos temperatura mostrado Que Este sítio amidaliano tambem PoDE Ser mobilizado in outras situações estressantes, os tais Como: choque NAS patas, estresse de restrição, nado Forcado e jejum prolongado. 21,22 (NS Canteras, Observação pessoal). Como mencionamos Acima, Neste Ponto e de suma importância lembrarmos Que, apesar do CEA Estar criticamente envolvido nd Expressão das respostas de Medo Condicionado, 1 lesões restritas uma this sítio neural parecem nao reduzir uma RESPOSTA de Defesa Durante uma Exposição AO predador (B. De Occa, comunicação pessoal). Hipotálamo A Exposição AO gato mobilização hum Grupo de Estruturas da zona medial do do hipotálamo Tais Como: o Núcleo anterior (AHN), um dorsomedial Parte do Núcleo ventromedial (VMHdm) EO Núcleo pré-mamilar dorsal (PMD), OS quais compõem o Circuito de hipotalamico Defesa. 14,15,17 Interessantemente, Ratos Expostos AO Contexto Onde OS animais encontraram Previamente hum hum predador tambem apresentam Claro aumento nd Expressão da Proteína Fos (assim Que Menos Intenso fazer Que o observado in RESPOSTA uma Exposição AO predador) não e não AHN PMd, Mas nao nd VMHdm (NS Canteras, Observação pessoal). O Ahn This criticamente envolvido nd Integração de Informações do Sistema septo-hipocampal. 15,17 Os distritos septais Que aferentam o AHN São inervados Pela Região intermediária do Campo e CA1 hipocampal fazer subiculum, 23 OS quais São particularmente aferentados POR Grupos amidalianos responsivos à Presença não predador, Taís Como OS núcleos laterais e basomedial. 24 ASSIM, É razoável pensarmos Que UMA via Entre o Sistema septo-hipocampal EO AHN POSSA Estar envolvida nd modulação Tanto da RESPOSTA incondicionada Como condicionada contextual ligada à Presença do predador. De Fato, lesões hipocampais temperatura pouco Efeito nd Reação comportamental AO choque elétrico, reduzem o congelamento do motor e aumentam como respostas de Avaliação de Risco Durante uma Presença do predador, 3 De-forma semelhante Ao não desprezíveis lesões encontrado Pará fazer PMd. Este Outro Componente do do Circuito de Defesa hipotalamico recebe densas Projeções dos Outros Elementos deste Sistema e ocupa UMA POSIÇÃO Estratégica parágrafo acionar uma Materia cinzenta periaquedutal. 14,25 Os Fatos Que sugerem como lesões do AHN, e fazer PMd tambem, possam ter hum Impacto Tanto Reação nd nd incondicionada Como condicionada contextual in RESPOSTA AO predador. O VMHdm, POR SUA Vez, aumenta uma Expressão de Fos, particularmente in RESPOSTA à Presença do predador, Mas nao in RESPOSTA AO Contexto Previamente Associado AO predador. Em consonância com Estes Achados, temos Que o VMHdm integração preferencialmente Informações de sitios amidalianos Que respondem à Presença do do predador, Taís Como o MEApv EO BMAP. 15 e de suma importância destacarmos Que o VMHdm tambem PoDE Ser mobilizado in RESPOSTA à Apresentação isolada não odor do gato . 19 sos Achados sugerem Que faça um Lesão VMHdm PoDE interferir no Comportamento observado in RESPOSTA à Exposição do gato e nsa testículos de Apresentação do odor do gato, Mas devem ter hum Impacto Bem Menor NAS respostas de condicionamento contextual. Matéria Cinzenta Periaquedutal (PAG) Estudos Clássicos de Hunsperger 26 mostraram uma Lesão Que nd PAG Resulta Num animais Muito Passivo Que Parece nao apresentar Reação defensiva quando confrontado com hum predador. Em RESPOSTA AO Encontro com o predador, temos uma Mobilização de CRP Específicos da PAG, Taís Como como Colunas e, dorsolateral dorsomedial ventrolateral. 16,18 A Coluna dorsolateral da PAG estabele particularmente envolvida nd Integração de respostas AO estresse de Origem psicológica, 27 enquanto Que uma Coluna ventrolateral da PAG integra respostas condicionadas um aversivos Estímulos, 28 Bem Como respostas comportamentais ocorrem Que nd fase recuperativa de UMA SITUAÇÃO estressante. 27 Conclusões Nossos Achados, EM Conjunto com Dados da literatura, nsa possibilitam delinear hum emboço dos Sistemas neurais envolvidos nd Organização das repostas de Defesa inata induzidas Pela Presença de hum predador. O Esquema Destes Sistemas estabele mostrado nd Figura . Durante a. Exposição AO gato, Sistemas Específicos amidalianos estao envolvidos nd detecção da Presença do predador, e irão mobilizar preferencialmente o VMHdm, empreendedorismo como Estruturas de Defesa do Circuito hipotalamico Concomitantemente, uma Formação hipocampal tambem PoDE Ser modulada POR estás Estruturas amigdaliana – estando envolvido nd Associação Entre uma ameaça fazer predador EO Ambiente Onde o animal, encontrou this Estímulo. Notamos ainda Que o Sistema septo-hipocamapal, atraves de Projeções n o AHN, tambem PoDE modular o Circuito de Defesa hipotalamico. Este Ultimo, POR SUA Vez, integrando Tanto Informações amidalianas Como hipocampais, ESTA NUMA POSIÇÃO Que permite PAG um regular, um qua estabele criticamente envolvida nd Expressão das respostas de Defesa evocadas Pelo predador. Referências 1. LeDoux JE. Circuitos da emoção no cérebro. Annu Rev Neurosci 2000; 23:155-84. [ links ] 2. Blanchard RJ, Blanchard DC. Reações defensivas no rato albino. Saiba Motivação 1971; 21:351-62. [ links ] 3. Blanchard RJ, Blanchard DC. Efeitos de lesões do hipocampo em reacção do rato a um gato. J Comp Physiol Psychol 1972; 78:77-82. [ links ] 4. Blanchard DC, Blanchard RJ. Reações inatas e condicionado a ameaça em ratos com lesões amígdala. J Comp Physiol Psychol 1972; 81:281-90. [ links ] 5. Blanchard RJ, Blanchard DC, Hori K. Ethoexperimental abordagens para o estudo do comportamento defensivo. In: Blanchard RJ, Brain PF, Blanchard DC, Parmigiani S, eds. Ethoexperimental abordagens para o estudo do comportamento. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1989. p. 114-36. [ links ] 6. Blanchard RJ, Blanchard DC, Rodgers RJ, Weiss SM. A caracterização e modelagem de comportamento defensivo contra predadores. Neurosci Biobehav Rev 1990; 14:463-72. [ links ] 7. Blanchard DC, RJ Blanchard, Lee EMC, Williams G. Taming no rato Noruega selvagem após lesões nos gânglios da base. Physiol Behav 1981. 27:995-1000 [ links ] 8. Blanchard DC, Blanchard RJ, Rodgers RJ. Avaliação de risco e modelos animais de ansiedade. In: Olivier B, Mos J, Slangen JL, eds. Animais Modelos em psicofarmacologia. Basel: Birkhauser Verlag AG; 1991. p. 117-34. [ links ] 9. Blanchard DC. Estímulo e controle ambiental de comportamentos defensivos. In: Bouton M, Fanselow M, eds. O behaviorismo funcional de Robert C. Bolles, motivação, Aprendizagem e cognição. Washington (DC): American Psychological Association; 1997. p. 283-305. [ links ] 10. Blanchard RJ, Yang M, Li CI, Garvacio A, Blanchard DC. Cue e condicionamento contexto de comportamentos defensivos a estímulos do odor do gato. Neurosci Biobehav Rev 2001; 26:587-95. [ links ] 11. Fox RJ, Sorenson CA. Lesões bilaterais da amígdala atenuam analgesia induzida por diversos desafios ambientais. Brain Res 1994; 648:215-21. [ links ] 12. Mesches MH, Fleshner M, Heman KL, Rose GM, Diamond DM. Expor ratos em blocos de predadores condicionadas potenciação explosão no hipocampo in vitro. J Neurosci 1999; 19 (RC18) :1-5 [ links ] 13. Blanchard RJ, Nikulina JN, RR Sakai, McKittrick C, McEwen BS, Blanchar DC. Mudança comportamental e endócrino após estresse crônico predatória. Physiol Behav 1998; 63:561-9. [ links ] 14. Canteras NS, Chiavegatto S, Ribeiro do Valle LE, Swanson PV. Redução severa do comportamento defensivo do rato a um predador por discretas lesões químicas do hipotálamo. Brain Res Touro 1997; 44:297-305. [ links ] 15. Canteras NS, Ribeiro Barbosa-ER, Comoli E. rastreamento a partir dos sistemas de núcleo dorsal premammillary prosencefálica envolvidos na organização da resposta de medo inato. Neurosci Biobehav Rev 2001; 25:661-8. [ links ] 16. Canteras NS, Goto M. Fos-immunoreacivity como na substância cinzenta periaquedutal de ratos expostos a um predador natural. NeuroReport 1999; 10:413-8 [ links ] 17. Canteras NS. O sistema hipotálamo medial defensiva: organização hodological e implicações funcionais. Pharmacol Biochem Behav 2002; 71:481-91. [ links ] 18. Comoli E, Ribeiro Barbosa-ER, NS Canteras. Caça predatória ea exposição a um predador ao vivo induzir padrões opostos de imunorreatividade Fos na PAG. Behav Brain Res 2003; 138:17-28. [ links ] 19. Dielenberg RA, Hunt GE, McGregor IS. “Quando um rato cheira um gato”: a distribuição de c-fos expressão em cérebro de rato a seguir a exposição a um odor predador. Neuroscience 2001;. 104:1085-97 [ links ] 20. Swanson LW, Petrovich GD. Qual é a amígdala? Tendências Neurosci 1998; 21:323-31. [ links ] 21. Pezzone MA, Lee WS, Hoffman GE, Rabin BS. A indução de c-Fos imunorreactividade no prosencéfalo rato por condicionados e incondicionados estímulos negativos. Brain Res 1992; 597:41-50. [ links ] 22. Chen X, Herbert J. mudanças regionais na c-Fos expressão no prosencéfalo basal e do tronco cerebral durante a adaptação ao estresse repetido. Correlações com cardiovascular, hipotérmica e respostas endócrinas. Neuroscience 1995;. 64:675-85 [ links ] 23. Risold PY, Swanson PV. Conexões do rato complexo septal lateral. Brain Res Rev 1997; 24:115-95. [ links ] 24. Petrovich GD, NS Canteras, Swanson PV. Combinatória entradas amídala aos domínios do hipocampo e do sistema de comportamento do hipotálamo. Brain Res Rev 2001; 38:247-89. [ links ] 25. Blanchard DC, Li CI, D Hubbard, Markham C, Yang M, Takahashi LK, Blanchard RJ. Dorsal premammillary núcleo diferencialmente modula comportamentos defensivos induzidos por estímulos de ameaça diferentes. Neurosci Lett 2003; 345:145-8. [ links ] 26. Hunsperger RW. Affektreaktionen auf elektrische Reizung im Hirnstamm der Katze. Helv Physiol Pharmacol Acta 1956; 14:70-92. [ links ] 27. Keay KA, circuitos Bandler paralelas R. mediadoras distintas emocionais reacções de sobrevivência para os diferentes tipos de stress. Neurosci Biobehav Rev 2001; 25:669-78. [ links ] 28. Vianna DML, Landeira-Fernandez J, Brandão ML. Regiões dorsolateral e ventral da matéria cinzenta periaquedutal estão envolvidos em diferentes tipos de medo. Neurosci Biobehav Rev 2001; 25:711-9. [ links ] Endereço para correspondência Newton Sabino Canteras Departamento de Fisiologia e Biofísica, Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo Av. Prof Lineu Prestes, 1,524 05508-900 São Paulo, SP, Brasil E-mail: newton@fisio.icb.usp.br Todos os conteúdos da revista, exceto onde indicado em contrário, está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) – ———————————————— Proteção De acordo com a psicóloga Neuza Corassa, do Centro de Psicologia Especializado em Medos, em Curitiba, o medo, dentro de certos limites, é essencial para o sucesso das atividades que executamos no dia a dia. “Ele funciona como uma espécie de alerta, que nos obriga a fazer as coisas com mais atenção. É o medo de bater o carro, por exemplo, que nos faz ter atenção no trânsito”, explica. A sensação passa a ser prejudicial quando, ao invés de ajudar, ela nos imobiliza. “Um bom exemplo é o medo de falar em público. Quando ele nos paralisa ao ponto de não conseguirmos agir, é preciso atenção, pois pode se tratar de uma fobia”, explica. Quando o medo se torna desmedido, é hora de procurar ajuda. “Muitas vezes, o próprio paciente pode se conscientizar do problema e controlá-lo”, conta Neuza. Entretanto, se isso não for possível, é preciso procurar ajuda psicológica. Metabolismo regulado O hipotálamo é uma região do cérebro dos mamíferos, do tamanho aproximado de uma amêndoa, localizado sob o tálamo, na região central do cérebro. Sua função é regular o metabolismo e as atividades involuntárias do organismo, como a respiração, a circulação do sangue, o controle de temperatura e a digestão. » Confira dicas da psicóloga da Neuza Corassa, do Centro de Psicologia Especializado em Medos, sobre como agir quando o medo se torna algo prejudicial e negativo Respeite o medo Não tente ignorar a sensação, isso pode ajudá-la a crescer. É importante ter consciência do que se está sentindo para tentar superar. Nunca use “terapias de choque” Provocar situações como jogar alguém quem tem medo de água em uma piscina, ou obrigar alguém que tem medo de altura a subir em um lugar alto pode causar traumas ainda maiores. É importante respeitar os limites de cada um, ainda mais se tratando de uma patologia. Procure as causas do medo Muitas vezes o medo pode ser um sintoma de algum problema pior. Descobrir a raiz do trauma pode ser a chave para resolvê-lo. Tente resolver Quando perceber que o medo está passando dos limites tente controlá-lo. Se policiar para que ele não te impeça de desenvolver nenhuma atividade do seu cotidiano é uma boa saída. Procure ajuda Caso não consiga resolver sozinho procure ajuda psicológica e médica. Um especialista pode indicar o melhor tratamento, que pode incluir medicamentos e psicoterapia, para controlar os sintomas do medo desmedido.
Tratamentos Propostos : Celso recomenda escolher entre os compostos fitoterápicos,conforme sua aplicabilidade: >Calma >Anti-excitação >Ansiedade >Antidepressivo Plantas usadas nas formulações acima: Calma: alecrim; artemísia; cevada;alfavaca-miuda hortelã; melisa; poejo;mulungu; passiflora; camomila;; Exitação C: mulungu; lobeira Ansiedade: cana-de-açúcar; lobeira; melissa; mentrasto; passiflora. Anti-depressivo: artemísia; ginkgo biloba; hipérico; hortelã-rasteira; mentrasto; passsiflora [usar mentrasto 60% falta de hiperico].