Regenerar flora intestinal ; probióticos

Plantas Relacionadas na Literatura : Espinheira-santa , Tuia .
Sintomas e Causas :
O QUE É UM ALIMENTO FUNCIONAL? Qualquer alimento ou substância contida no alimento que tenha efeitos fisiológicos benéficos ao organismo. QUAIS SÃO OS EFEITOS FISIOLÓGICOS BENÉFICOS AO ORGANISMO? Os alimentos funcionais têm a capacidade de aumentar o número das fitobactérias no cólon, de aumentar a tolerância à lactose, de fortalecer o sistema imune, de diminuir o risco de várias doenças (infecciosas intestinais; cardiovasculares e câncer, entre outras).
A FLORA DO TRATO DIGESTIVO Antes da criança nascer, o tubo digestivo é estéril. Depois que o bebê nasce, esse tubo se contamina com as bactérias do ambiente. Elas entram pelo nariz e pela boca, e há outras que colonizam a faringe e o trato intestinal. A criança começa primeiro a ser colonizada por bactérias que utilizam o oxigênio que está presente no interior do intestino. Quando esse oxigênio é consumido, o intestino passa a ser colonizado com bactérias anaeróbicas (como as bifidobactérias e os bacterióides). A partir da primeira semana de vida, a flora já é praticamente estável e representativa de toda a sua vida.
A INTRODUÇÃO DOS ALIMENTOS SÓLIDOS Nessa fase, desenvolve-se a flora intestinal que varia conforme as condições de nascimento, da alimentação, do uso de antibióticos etc.
O micro sistema da flora intestinal é composto de micro-organismos benéficos, patogênicos e neutros. A quantidade de bactérias no estômago e na parte superior do intestino delgado pela quantidade maior de oxigênio, pela rápida passagem do alimento, pela alta acidez do estômago é pouca. Ainda assim, umas poucas bactérias acido láticas e anaeróbicas (como os lactobacilos acidophilus e os enterococos) existem. A transição de uma flora bacteriana Gram-positiva para uma flora Gram-negativa, que é característica do intestino grosso onde não há oxigênio e portanto anaeróbica, é gradual. A flora intestinal é portanto formada de 90% de microorganismos anaeróbicos, bacteróides e bifidobactérias.
O QUE SÃO BACTÉRIAS INTESTINAIS? As bactérias intestinais são organismos unicelulares que funcionam quase como um “órgão” metabolizador, tendo portanto a capacidade de influir na saúde e bem estar do corpo. O desequilíbrio da flora pode ser prevenido com a administração de micro-organismos vivos, os chamados probióticos.
E AS BIFIDOBACTÉRIAS? As bifidobactérias são semelhantes aos lactobacilos, crescem a uma temperatura aproximadamente 37 graus e num pH entre 6.5 a 7 e elas fermentam os açúcares (entre eles os carboidratos) formando ácido lático e acético. Hoje já se sabe que as bifidobactérias produzem as vitaminas B1, B 2, B6, B 12, ácido nicotínico, ácido fólico e biotina. Além disso, tem um efeito protetor sobre o fígado, ao evitar o predomínio de organismos patogênicos produtores de substâncias tóxicas. Com isso, diminuem o trabalho do fígado de purificar as substâncias absorvidas pelo intestino delgado. No intestino grosso, as bifidobactérias e os lactobacilos são micro-organismos benéficos para a saúde, e são capazes de absorver a lactulose (leia mais abaixo para saber o que é lactulose).
QUAIS AS FUNÇÕES DAS BACTÉRIAS INTESTINAIS?
As bifidobactérias no intestino grosso fermentam os carboidratos e as fibras alimentares que não foram digeridas no intestino delgado e formam gases (hidrogênio, dióxido de carbono, oxigênio, amônia, metano), produzem ácido lático e ácido graxo de cadeia curta – respectivamente ácidos acético, propiônico e butírico que fornecem energia para a renovação das células intestinais (enterócitos), melhoram a absorção de minerais e nutrientes, sintetizam vitaminas diminuem o PH do cólon formando um meio onde as bactérias potencialmente patogênicas não podem crescer e se desenvolver e produzem bacteroquinas que atuam como verdadeiros antibióticos que inibem as bactérias patogênicas. Constituem uma barreira protetora que impede a entrada de substâncias estranhas e nocivas ao organismo. A flora intestinal ainda produz a imunoglobulina A (IgA) que impede que microorganismos possam aderir na superfície das células do intestino. Crianças amamentadas com leite materno desenvolvem uma flora rica em bifidobactérias.
AS FUNÇÕES DE UMA FLORA BENÉFICA NO INTESTINO Existe um equilíbrio entre os microrganismos da flora intestinal. A principal função dos micro-organismos benéficos é limitar o crescimento de micro organismos potencialmente patogênicos no intestino. Também não se deve esquecer que a flora intestinal é extremamente vulnerável a determinadas situações. No adulto, ela é influenciada pela alimentação, pelo código genético, pelo meio em que a pessoa vive, pelo uso de antibióticos, por stress, por infecções, pela idade, pelo clima, pelo trânsito intestinal, por doenças em outros órgãos como o fígado ou rim e etc.
FLORA INTESTINAL Existem dois tipos de flora intestinal: uma permanente e outra transitória. A flora permanente é aderida as células da mucosa do intestino. Ela é composta de micro organismos estáveis, que se multiplicam com rapidez e estão bem adaptados ao organismo. A flora transitória não se fixa na mucosa. Ela é proveniente da parte superior do trato digestivo e varia conforme a alimentação e o meio ambiente. O QUE É LACTULOSE? A lactulose é um açúcar não absorvível pelo intestino delgado humano. Assim, ela chega ao cólon praticamente inalterada. Nesse local, é fermentada pelas bactérias sacarolíticas, originando principalmente o ácido láctico. Por ter a capacidade de acidificar o intestino, aumenta a pressão osmótica e o afluxo de líquidos, aumentando o volume das fezes e favorecendo o trânsito intestinal. A lactulose é, o nutriente ideal das bifidobactérias e dos lactobacilos, como um prebiótico ajuda a estabilizar e a recuperar a flora intestinal fisiológica. Na natureza, os probióticos se encontram nos vegetais, como o alho, o aspargo, a cebola, o tomate, a alcachofra, a banana, a cevada, a aveia, o trigo e o mel. No crescimento bacteriano que ocorre no interior do intestino delgado, a lactulose é fermentada antes de chegar ao cólon e produz um pico de hidrogênio. Um estudo publicado relacionou os níveis de endotoxina bacteriana com pacientes que tem fibromialgia. As bactérias Gram-negativas tem uma endotoxina, um liposacarídeo (LPS) que tem uma grande capacidade de virulência, que tem o efeito de amplificar as reações inflamatórias o que lhes confere a propriedade de patogenicidade. Os autores levantaram a hipótese de que os níveis de endotoxina bacteriana seriam maiores nos pacientes com fibromialgia, e como esta é uma substância que produz hiperalgesia, ela estaria envolvida na patogênese da fibromialgia. As bactérias anaeróbias ao fermentarem o carboidrato que não foi digerido produzem gases como o hidrogênio que chega na corrente sanguínea, e ao ser eliminado pela respiração pode ser medido pelo teste respiratório da lactulose. Se existe um excesso de bactérias, os níveis de hidrogênio detectados serão maiores e a produção de hidrogênio foi significativamente maior nos pacientes com fibromialgia.
O QUE SÃO PROBIÓTICOS? Os alimentos probióticos para serem efetivos tem que escapar da digestão na parte alta do tubo digestivo para poderem alcançar o intestino grosso. Os ingredientes alimentares considerados serem probióticos são alguns tipos de fibras alimentares, ou seja, carboidratos não digeríveis pelas enzimas intestinais. A inulina e os frutooligossacarídeos (FOS) são fibras alimentares resistentes à degradação pela enzima salivar e intestinal, podendo chegar no cólon e beneficiar a flora da região.
Eles têm a capacidade de alterar o trânsito intestinal com a conseqüente redução de metabólicos tóxicos, de prevenir diarreia ou obstipação intestinal por alteração da flora do cólon. A sua fermentação colônica produz os ácidos graxos de cadeia curta que são importantes para as células epiteliais do intestino, diminuindo o PH do colon.Ao estimular o crescimento das bifidobactérias intestinais são capazes de suprimir a atividade de outras bactérias putrefativas como a Escherichia coli; o Streptococos faecales, o Clostridium, o Proteus e outros. que podem levar à formação de substâncias tóxicas como amônia; aminas e substâncias que como as nitrosaminas; estrogênios; ácidos biliares secundários e fenóis.
TERAPIA COM PROBIÓTICOS Vários estudos relacionam os probióticos com a prevenção e o tratamento das infecções gastrointestinais e até de certas infecções vaginais, pela capacidade que possuem de inibir as bactérias patogênicas. É indicado para os pacientes que estão fazendo uso de terapia com antibióticos ou de tratamentos com quimioterapia e radioterapia e nos casos de diarreias, inflamações, intoxicações e etc. Mais recentemente o uso de probióticos tem sido relatado nas doenças alérgicas freqüentes nos lactentes e nas crianças e o intestino é tido como o maior sistema imunológico do homem. Algumas das cepas probióticas são: Lactobacilos acidófilos, casei, bulgárico, Enterococus faecium e Bifidobactéria bifidus. Os probióticos podem estar em alimentos industrializados como os leites fermentados ou podem ser encontrados na forma de pó ou cápsulas. O iogurte é um produto proveniente da fermentação do leite por duas bactérias: Streptococus thermophilus e Lactobacilus bulgaricus. Como esses dois micro organismos não são de origem intestinal, não é o iogurte considerado como um alimento probiota. O iogurte tem valor nutricional rico em sais minerais como o cálcio, em vitaminas B, no ácido fólico e vitamina A e as suas absorções são facilitadas pela sua acidez, auxilia a digestão, reduz a incidencia de diarreia e etc. O iogurte é portanto benéfico à saude como um todo. O leite fermentado pode ser considerado probiota pois o proceso de fermentação acontece por organismos provenientes da flora intestinal e por isso tem uma resistência maior a digestão na parte alta do tubo digestivo e podem chegar vivos em maior quantidade no intestino grosso. Tem uma aderência maior ao intestino e não precisam ser ingeridos tão frequentemente. Equilibram a flora intestinal e também possuem as mesmas propriedades acima citadas quanto ao iogurte. O começo do uso de probióticos pode aumentar a flatulência que em geral desaparece no terceiro dia, ou quando o intestino começa a regularizar. É necessário a ingestão diária de probióticos nos pacientes que tenham tendência à diarreia ou constipação.
A BARREIRA INTESTINAL E O AUMENTO NA PERMEABILIDADE INTESTINAL
O intestino delgado tem a função tanto de absorção quanto de digestão dos nutrientes alimentares e funciona como uma barreira contra macromoléculas e toxinas.
Qualquer anormalidade na barreira intestinal, seja mecânica ou imune, acarreta na passagem de macromoléculas e de bactérias patogênicas que levam a uma sobrecarga no sistema imune de certas pessoas e vários estudos relacionam o aumento das permeabilidade intestinal com certas doenças como: inflamações das articulações, atopias, asma, urticária, artrite reumatoide e muitas outras. A permeabilidade intestinal pode também acontecer na inflamação intestinal, onde o desequilíbrio da flora intestinal leva a migração de bactérias intestinais através da camada de muco. O espaço entre as células do intestino normalmente estão fechados, mas a irritação da mucosa intestinal pode aumentar esse espaço entre as células e ser um outro local para a entrada de macromoléculas para a corrente sanguínea. Essas substâncias que não estão presentes no organismo saudável podem ser reconhecidas pelo sistema imune como um organismo estranho e desencadear uma reação tipo antígeno-anticorpo, como acontece nas alergias de fundo alimentar. Existem dois tipos de resposta do sistema imune que podem estar presentes na alergia ou sensibilidade alimentar, que pode estar na origem de várias outras doenças. As respostas por anticorpos IgG e por anticorpos IgE. Geralmente as respostas por IgE são rápidas, dentro de duas horas de contato com o alimento. Já a resposta IgG dão respostas tardias, muito mais difíceis de serem reconhecidas pois podem aparecer até 48 horas. após o contato com o alimento. Os probióticos tem sido indicados na modulação do sistema imunológico intestinal, com o objetivo de reduzir a gravidade das doenças alérgicas. FIBRAS SOLÚVEIS E INSOLÚVEIS As fibras são consideradas como alimentos prebióticos se dividem em solúveis e insolúveis. As fibras solúveis (gomas, mucilagens, aveia, farinha de aveia, feijões, ervilhas, frutas cítricas, maçãs, morangos, framboesas) têm pouco efeito na evacuação, mas retardam o esvaziamento gástrico e o tempo de trânsito intestinal, diminuem a absorção da glicose, previnem a reabsorção do colesterol fazendo com que mais colesterol seja perdido nas fezes e menos colesterol retorne para a corrente sanguínea. As fibras insolúveis (alimentos integrais, casca de maçã. cascas de cereais, vegetais folhosos) tem um efeito mecânico no trato gastrointestinal pois não sendo metabolizadas pelo intestino, aumentam o bolo fecal e aceleram o tempo do trânsito intestinal pela absorção de água.
Recomenda-se que a dieta deve conter de 12 a 24 gramas de fibra por dia, provenientes de várias fontes (cinco porções de frutas e vegetais por dia). Deve-se também ingerir oito copos de água por dia para facilitar a formação do bolo fecal.
ALTERAÇÕES DO TRATO DIGESTIVO QUE ACOMPANHAM O ENVELHECIMENTO Com o envelhecimento as paredes intestinais se tornam mais finas e a propulsão do alimento diminui, propiciando as prisões de ventre. Trabalhos mostram que ratos velhos tem uma menor capacidade de prevenir a absorção da mucosa intestinal de macromoléculas. No envelhecimento a barreira intestinal fica prejudicada e é mais fácil que aconteça a absorção de substâncias tóxicas do ambiente.
Além disso algumas propriedades como a capacidade de aderência das bifidobactérias na mucosa intestinal se modifica, o número de bifidobactérias diminui e ocorre um aumento das bactérias putrefativas, a produção de ácido clorídrico no estômago diminui e com isso aumenta o aparecimento de infecções intestinais. Indique esse texto à um amigo Home > Artigos > Sobre a flora intestinal Copyright 2006, Dra. Dina Kaufman. Todos os direitos reservados.

Tratamentos Fitoterápicos Propostos

Tratamentos Propostos : Segundo Dirceu: plantas com grande capacidade regeneradora da flora intestinal: Tuia (Tuya occidentalis)e, Espinheira-santa (Maytenus illicifolia). No caso de preparados na forma aquosa usar: até 2 anos: 1 gota/kg; de 3 anos à 7 anos: uma colher de café; de 7 até 12 anos: uma colher de chá; mais de 12 anos: uma colher de sobremesa. Em todas as idades, usar 3 vezes ao dia. No caso de usar na forma de cápsulas contendo pó seco e moído da mistura de plantas indicadas ou de uma planta, tomar 1 cápsula, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições,”em estado de fome”, [prática que pode ser usada nas formulações aquosas] ou quando se fizer necessário.

Dieta recomendada durante o tratamento: cortar margarinas, manteigas, carne vermelha, frituras gerais, refrigerantes (mesmo diet e tipo cola), todo tipo de gordura mesmo chocolates, usar leite desnatado com aveia fina (Oat brean), 2 vezes ao dia.

Dieta e Cuidados Recomendados : Dieta recomendada durante o tratamento: cortar margarinas, manteigas, carne vermelha, frituras gerais, refrigerantes (mesmo diet e tipo cola), todo tipo de gordura mesmo chocolates, usar leite desnatado com aveia fina (Oat brean), 2 vezes ao dia.