Purgativo drástico; constipação intestinal ;prisão-de-ventre (atua como purgante)

Plantas Relacionadas na Literatura : Algodão-bravo, Avelós (aveloz), Batata-de-purga; [ipú], Cabacinha, Capuchinha , Cipó-guaimbê , Erva-lobrigueira , Fedegoso(Sene campo) Mangerioba , Gravatá , Jenipapo (genipapo) , Lacre , Manacá , Manjerioba-grande – Mata-pasto , Marmelo , Melão-de-são-caetano Mertiolate (pinhão-manso) , Teiú, Tomba, .
Sintomas e Causas : LAXANTES E PURGATIVOS -O PACIENTE E A CONSTIPAÇÃO INTESTINAL JÚLIO CÉSAR MONTEIRO DOS SANTOS JÚNIOR – TSBCP SANTOS JUNIOR JCM.Laxantes e Purgativos – O Paciente e a Constipação Intestinal. Rev bras Coloproct, 2003;23(2):130-134
Resumo: Estão bem estabelecidos os critérios clínicos para o tratamento da constipação intestinal infantil no adulto ou no idoso. Contudo, o uso popular de laxativos e purgativos sustentado por propagandas de cunho meramente comercial veiculadas pela mídia e, às vezes, indevidamente sustentado por orientação médica, persiste como forma de “tratamento” medicamentoso de escolha daquele “sintoma”, com significante prejuízo para os pacientes. Os laxantes e purgantes não se prestam para o tratamento de doença alguma e, em casos excepcionais, sob orientação médica criteriosa, podem ser prescritos para a evacuação intestinal abrupta, em geral necessária como preparo pré-operatório, para procedimentos radiológicos e endoscópicos intestinais, entre outros motivos. Excepcionalmente, sob adequada orientação médica, os laxantes e congêneres serão aconselháveis, como adjuvante inicial, no tratamento da constipação intestinal crônica. A constipação pode ter como causas as seguintes:
1. Hábitos e dietas a. dieta sem fibras;
b. uso excessivo de alimentos constipantes (ricos em pectina e caseína);
c. inanição;
d. inibição da função fisiológica da defecação;
e. uso sistemático de laxantes.
2. Desordens funcionais e estruturais
a. obstrução do cólon;
b. obstrução anal;
c. miopatias ou neuropatias viscerais (congênitas e adquiridas).
3. Anomalias neurológicas extra-intestinais
a. centrais;
b. periféricas.
4. Distúrbios psiquiátricos
a. depressão;
b. psicose;
c. anorexia nervosa.
5. Doenças endócrinas ou metabólicas
a. do adulto;
b. da criança.
6. Iatrogênicas
a. “fármacos” (codeína, laxantes, antidepressivos, ferro, anticolinérgicos, etc)
Em cada uma dessas circunstâncias é bem pouco provável que o uso sistemático de laxantes seja uma opção de “tratamento”.
Os medicamentos que agem na função absortiva e secretória intestinal e modificam a consistência, forma e a quantidade das fezes, popularmente são divididos em laxantes e purgantes ou catárticos, de acordo com a rapidez e o produto de sua ação. Os laxantes são mais suaves e demoram mais para agir (de 6 horas a 3 dias); os purgantes são drásticos e agem rapidamente (de 1 a 3 horas). Aqueles promovem fezes macias ou pastosas, eventualmente diarreicas e, estes, evacuação aquosa e volumosa.
Essa divisão não segue a classificação farmacológica que usa apenas a denominação genérica de laxantes para agrupar essas substâncias, independente de seu mecanismo de ação e seu poder “laxativo” ou “catártico”. Nessa concepção, elas são agrupadas de acordo com o padrão de efeito e o tempo que leva para que o efeito seja produzido, com uma dose clínica habitual, como no agrupamento da Tabela-2.
Tabela 2 – Grupos de laxativos segundo a velocidade de ação e o resultado Fezes macias Fezes semilíquidas Fezes líquidas Formadores de fezes volumosas e macias Laxativos estimulantes Laxativos osmóticos Farelo Derivados do difenilmetano Fostato de sódio Psilium a. fenolftaleina Sulfato de magnésio Plantago b. bisacodil Citrato de magnésio Goma Guar Sorbitol Manitol Surfactantes Derivados antraquinônicos Óleos surfactantes a. sene Óleo de rícino Lactulose b. cascara sagrada c. aloe d. ruibarbo
.

Tratamentos Propostos :
Segundo Dirceu (dirceu@paz.org.br), Jenipapo (Genipa americana), usa-se no máximo 5% (ver dados da planta).
Teles recomenda uso interno do composto: PRISÃO-DE-VENTRE C, com as plantas: bardana, raiz; gergelim branco ou preto, sementes; tanchagem, semente; sene, folhas com pedúnculo. Observação: este composto em doses mais baixas funciona como educador dos movimentos peristálticos do intestinos atuando na constipação intestinal, mas em doses mais elevadas pode atuar como purgante. As doses são específicas para cada pessoa, precisando encontrar a que melhor atue para cada caso desejado.

Ver dieta de prisão-de-ventre e cosntipação.

Dieta e Cuidados Recomendados : Ver dieta de prisão-de-ventre e constipação