Neuropatia periférica: Origem tóxica, farmacológica ou diabética

Plantas Relacionadas na Literatura : Cimicifuga [Erva-de-são-cristóvão], Cumari (pimenta), Pimenta-malagueta.
Sintomas e Causas : Neuropatia periférica CAUSAS A maioria dos casos de neuropatia periférica é provocada pelo desenvolvimento de lesões inflamatórias ou degenerativas nas fibras nervosas, ou seja, nos axônios dos neurônios que constituem os nervos periféricos, sem que os corpos celulares sejam afectados. Em alguns casos, como nas neuropatias de origem tóxica, farmacológica e diabética, em primeiro lugar, costumam ser afectados os axônios e, posteriormente, as bainhas de mielina que revestem as fibras nervosas. No entanto, noutros casos, a ocorrência de um processo de desmielinização provoca uma perda das bainhas de mielina e a posterior lesão dos axónios. Estas alterações podem ser provocadas por vários mecanismos: por uma agressão directa de agentes infecciosos ou produtos tóxicos às fibras nervosas, por uma insuficiente irrigação sanguínea provocada por uma alteração dos pequenos vasos que nutrem os nervos periféricos, por uma reacção imunitária anómala em que sejam produzidos anticorpos contra os axónios ou contra as bainhas de mielina dos nervos periféricos, etc. As possíveis causas são extremamente variadas: infecciosas, metabólicas, tóxicas, imunitárias, degenerativas, etc. Entre outros motivos, a doença pode ser provocada por uma complicação da diabetes mellitus (neuropatia diabética), alcoolismo (neuropatia alcoólica), carências vitamínicas (sobretudo do grupo B, nomeadamente da tiamina), intoxicação por metais pesados (nomeadamente chumbo, mercúrio e arsénio) ou determinados medicamentos, insuficiência hepática, insuficiência renal (neuropatia urémica), hipotiroidismo e lepra. MANIFESTAÇÕES As neuropatias podem provocar problemas sensitivos ou motores e alterações vegetativas provocadas pela lesão dos nervos do sistema nervoso autónomo. De facto, as manifestações são muito variadas: por exemplo, a diabetes provoca uma alteração sensitiva e motora, algumas intoxicações (como as por chumbo) afectam especialmente as fibras nervosas motoras, enquanto que a lepra ataca as fibras sensitivas. Na maioria dos casos, as manifestações vão lentamente apresentando-se de forma pouco evidente: começam simetricamente nas partes distais do corpo, sobretudo nos pés, mas também nas mãos, e alastram-se praticamente de imediato para os membros, até chegarem ao tronco. As primeiras alterações, que normalmente são sensitivas (formigueiros, sensação de queimadura ou dores), costumam ser mais intensas durante a noite, piorando ao serem pressionadas ou com as mudanças de temperatura. À medida que a lesão dos nervos se vai acentuando, vai provocando perda progressiva da sensibilidade, que pode evoluir até uma total anestesia. Os problemas da sensibilidade superficial costumam evidenciar-se através de uma característica distribuição pelas mãos e pés, visto que as primeiras partes do corpo a serem afectadas são as distais. Os problemas motores apresentam a mesma evolução que os sensitivos, no que diz respeito à sua localização e intensidade. Na verdade, estes problemas começam por se manifestar através de debilidade nas partes distais e, à medida que se vai verificando um aumento da perda de força, os músculos ao perderem a sua inervação motora vão ficando atrofiados, podendo até ficar paralisados. Com o tempo, os problemas motores alastram-se até causarem, nos casos mais graves, grande incapacidade. Por outro lado, os problemas sensitivos e motores podem ser acompanhados por vários problemas vegetativos, como secura da boca, hipotensão postural, problemas de ereção, perda de controlo dos esfíncteres, etc.
Tratamentos Propostos : TRATAMENTO O tratamento corresponde ao do problema causador, sendo o único meio para se travar o avanço da doença. Por exemplo, caso a origem seja uma intoxicação, o tratamento deve passar pela eliminação do agente nocivo, enquanto que em caso de carência vitamínica é necessário corrigir a deficiência e, quando o problema surge como complicação da diabetes, deve-se controlar os valores de glicemia. Ao mesmo tempo, devem ser administrados anti-inflamatórios, analgésicos e vitaminas do grupo B, pois favorecem a regeneração nervosa. Por outro lado, é muito importante proteger as partes insensibilizadas e tratar precocemente todas as úlceras ou feridas. Existem vários métodos de fisioterapia, através da prática de exercícios de reabilitação e a utilização de aparelhos específicos, que são extremamente úteis para corrigir ou atenuar os problemas motores e fortalecer a autonomia do paciente. O que é neuropatia periférica? As neuropatias são lesões que acometem os nervos periféricos e que se estendem da medula ou do tronco encefálico até as extremidades do corpo. Quais os sintomas? Produzem sintomas motores como a perda de força, alterações da destreza, movimentos mais elaborados, alteração da marcha e até desequilíbrio. Os sintomas sensitivos são a diminuição da sensibilidade tátil (paciente não sente nada quando é tocado em determinado local), dolorosa (anestesia no local) ou hipersensibilidade com dor neuropática (excesso de dor) e até formigamentos. Existem manifestações autonômicas como descontrole da pressão arterial, da sudorese, do lacrimejamento, alteração da temperatura entre outros. Todos os sintomas dependem do nervo periférico acometido e da sua causa. Os sintomas de neuropatias habitualmente se instalam de forma gradual, progredindo lentamente,e como toda regra há suas exceções, há situações mais graves como a polirradiculoneurite aguda ou a porfiria aguda intermitente em que os sintomas se desenvolvem mais rapidamente, ao longo de dias ou horas, ocasionando até dificuldades respiratórias e requerendo internação neurológica imediata, muitas vezes em ambiente de UTI. Quais as causas? Uma das causas mais freqüentes de neuropatia periférica é o diabetes mellitus. Ela se manifesta principalmente com dor e queimação nos pés, principalmente no período noturno, mas pode se manifestar com dor generalizada, lombar, etc… No Brasil, infelizmente há uma grande incidência da neuropatia devido a Hanseníase, que é a Lepra, e é muito comum mas pouco diagnosticada.Não podemos esquecer que é uma doença que tem tratamento e cura na maioria das vezes. Outras causas incluem: – a desnutrição devido à pobreza ou ainda consequente à cirurgias do aparelho digestivo, -as doenças autoimunes como o lupus eritematoso sistêmico e a poliradiculoneurite crônica, – as neuropatias degenerativas hereditárias, – os traumas por acidentes como a lesão do plexo braquial, -os traumas por movimentos repetitivos como a Síndrome do Túnel do Carpo (ver Post “A Síndrome do Túnel do Carpo”) -os distúrbios metabólicos adquiridos ou congênitos. Qual o melhor Tratamento? O tratamento depende de vários aspectos como o quadro clínico do paciente e sua causa. O tratamento medicamentoso deve focar o controle da dor, quando presente, e na maioria das vezes são utilizadas medicações para dor crônica, como antidepressivos e anticonvulsivantes. Em todos os casos é imprescindível o acompanhamento de um médico Fisiatra pois a reabilitação é essencial para a melhora dos sintomas e da funcionalidade. Nos casos em que o paciente não apresenta sintomas e nem sequelas devido às alterações neurológicas, o médico Fisiatra auxilia na prevenção de complicações e dos sintomas. O banho de contraste é uma das opções para algumas neuropatias, veja no vídeo abaixo:http://adoratual.wordpress.com/2009/09/01/o-que-e-neuropatia-periferica/ ———————————————— Teles cita uma experiência feita por ele com frutos bem picados da pimenta-malagueta madura [muito rica de um composto orgânico denominado Capsaicina], submetida a uma extração em um equipamento tipo Soxhlet,usando como extrator o álcool etílico tipo comestível, e este extrato foi misturado em um gel neutro, formando um gel de coloração avermelhada com odor picante.[o extrator Soxhlet poderá ser substituido por uma extração tipo maceração usando-se como extrato álcool etílico absoluto [ou hidro alcoólico], durante 15 dias, agitando-se diariamente por 2 vezes]. Este gel com pimente-malageta foi aplicado abaixo do joelho de uma paciente com neuropatia diabética. Como resultado preliminar as dores diminuíram, mas o trabalho foi interrompido deixando a imagem de que poderia ser continuado para melhor observação de resultados. Tivemos informação de que nos EEUU produz-se uma preparado laboratorial para neuropatia contendo a mesma substância [Capsaicina] que a pimenta-malagueta [Capsium frutescens L.] produz, fato que nos entusiasmou a fazer o teste citado.