Nefrite infecciosa (ajuda nos sintomas) g*

Plantas Relacionadas na Literatura : Cipó-cabeludo, .
Sintomas e Causas : Síndrome Nefrítica Aguda A síndrome nefrítica aguda aguda; glomerulonefrite pós-infecciosa) é uma flamação dos glomérulos que acarreta o surgimen to repentino de sangue na urina, com aglomera dos de eritrócitos (cilindros) e quantidades variáveis de proteínas na urina. A síndrome nefrítica aguda pode ocorrer após uma infecção estreptocócica (p.ex., faringoa-migdalite estreptocócica). Nesses casos, o distúrbio é denominado glomerulonefrite pós-estreptocócica. Os glomérulos são lesados devido ao acúmulo de antígenos dos estreptococos mortos, aglomerados com os anticorpos que os neutralizaram. Esses aglomerados (complexos imunes) recobrem as membranas dos glomérulos e interferem na sua função de filtração. Como a nefrite inicia 1 a 6 semanas (média de 2 semanas) após a infecção e como os estreptococos já estão mortos, os antibióticos não têm qualquer utilidade. A glomerulonefrite pós-estreptocócica é mais comum em crianças com mais de 3 anos de idade e em adultos jovens. Aproximadamente 5% dos casos ocorrem em indivíduos com mais de 50 anos de idade. A síndrome nefrítica aguda também pode ser causada por uma reação a outras infecções como, por exemplo, a infecção de uma parte artificial do corpo (prótese), a endocardite bacteriana, pneumonias, abcessos de órgãos abdominais, a varicela, a hepatite infecciosa, a sífilis e a malária. As três últimas infecções podem causar a síndrome nefrótica ao invés de uma síndrome nefrítica aguda. Sintomas e Diagnóstico Aproximadamente 50% dos indivíduos com síndrome nefrítica são assintomáticos. Quando são sintomáticos, os sintomas iniciais são a retenção líquida com edema (aumento de volume dos tecidos), o baixo volume urinário e a urina escura contendo sangue. Inicialmente, o edema pode manifestar-se como um inchaço da face e das pálpebras, mas, posteriormente, ele torna-se mais proeminente nos membros inferiores. Ele pode tornar-se grave. A hipertensão arterial e o edema cerebral podem causar cefaléia (dor de cabeça), distúrbios visuais e distúrbios mais graves da função cerebral. O exame de urina revela a presença de quantidades variáveis de proteínas. A concentração de uréia e de creatinina (dois produtos da degradação metabólica) no sangue freqüentemente está elevada. O médico investiga a possibilidade de glomerulonefrite pós-estreptocócica em indivíduos que apresentam esses sintomas e cujos resultados dos exames laboratoriais indicam uma disfunção renal após uma faringite, um infecção cutânea (impetigo) ou, de forma mais convincente, após uma infecção estreptocócica confirmada através da cultura. Os níveis séricos dos anticorpos anti-estreptococos podem encontrar-se mais elevados do que o normal. A síndrome nefrótica ocorre em cerca de 30% desses indivíduos. Raramente, a produção de urina cessa totalmente assim que a glomerulonefrite pós-estreptococócica se instala. O volume sangüíneo aumenta subitamente e a concentração de potássio no sangue também au-menta. A não ser que a diálise seja instituída rapidamente, o indivíduo pode morrer. Normalmente, é mais fácil se diagnosticar a síndrome nefrítica aguda que ocorre após uma infecção por outros microrganismos que não os estreptococos, pois os seus sintomas freqüentemente começam enquanto a infecção é ainda evidente. Prognóstico e Tratamento A maioria dos indivíduos com síndrome nefrítica aguda recupera-se completamente. No entanto, quando os exames laboratoriais revelam grandes quantidades de proteínas na urina ou uma diminuição rápida da função renal, é possível que o indivíduo desenvolva uma insuficiência renal e uma lesão renal permanente. Em 1% das crianças e em 10% dos adultos, a síndrome nefrítica aguda evolui para a síndrome nefrítica rapidamente progressiva. Em aproximadamente 85 a 95% das crianças, a função renal retorna ao normal, mas elas apresentam um maior risco de apresentar hipertensão arterial posteriormente, ao longo da vida. Cerca de 40% dos adultos não se recuperam completamente e continuam a apresentar alterações da função renal. Para a maioria dos casos, não existe tratamento. Os medicamentos que suprimem o sistema imune (drogas imunossupressoras) e os corticosteróides não são eficazes. Inclusive, os corticosteróides podem piorar o quadro. Quando o indivíduo ainda apresenta uma infecção bacteriana no momento do diagnóstico da síndrome nefrítica aguda, a antibioticoterapia é iniciada. Quando o distúrbio é decorrente de uma infecção de uma prótese (parte artificial do corpo) como, por exemplo, uma válvula cardíaca, o prognóstico permanece sendo bom, desde que a infecção possa ser erradicada. Freqüentemente, a erradicação exige, além da antibioticoterapia, a remoção e a substituição da prótese. Pode ser necessária a instituição de uma dieta pobre em proteínas e sal até a função renal ser recuperada. Diuréticos podem ser administrados para auxiliar os rins a excretar o excesso de sal e de água. Pode ser necessário tratar a hipertensão arterial. Os indivíduos que apresentam insuficiência renal grave podem necessitar de diálise. fonte: www.msd-brasil.com
Tratamentos Propostos : Plantas que podem ser usadas: Uva-ursi (Arctostaphylos uva-ursi), folhas, infuso, necessidade de pH urinário básico para poder atuar como anti-séptico urinário; Douradinha-do-cerrado (Palicourea rigida), folhas, infuso; Algodãozinho-do-cerrado (Cochlospermum regium), raiz, decocto; Cana-do-brejo (Costus cuspidatus), planta toda, decocto; Cavalinha (Equisetum arvensis), planta toda, decocto; Jatobá (Hymenoea courbaril), entrecasca, decocto, tintura; Tanchagem (Plantago major), folhas, suco; Copaíba (Copaifera langsdorfil), óleo em cps; Própulis; Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae), entrecasca, decocto; Pitangueira (Eugenia uniflora), folha, infuso; Salsa (Petroselinum sativum), planta toda, inclusive raiz em suco; Vara-de-ouro (Solidago virgaurea) planta específica para drenagem renal e hepática; Junípero, enebro, (Juniperus communis).
Dieta e Cuidados Recomendados : Dr. Degmar recomenda para infecções urinárias: tomar muita água. Evitar alimentos irritantes da bexiga tais como: frutas muito ácidas ou pimentas, molhos fortes. Nada de bebida tipo cola. Tomar suco de Birtili (Gram berry), pois além de ação antioxidante, impede a proliferação da Echerichia coli na parede da bexiga

Dr. Degmar recomenda para infecções urinárias: tomar muita água. Evitar alimentos irritantes da bexiga tais como: frutas muito ácidas ou pimentas, molhos fortes. Nada de bebida tipo cola. Tomar suco de Birtili (Gram berry), pois além de ação antioxidante, impede a proliferação da Echerichia coli na parede da bexiga.