Mal de Alzheimer (ajuda nos sintomas) g*

Plantas Relacionadas na Literatura : Açafrão; açafroeira, Barbatimão, Capitão ++, Erva-cidreira-de-rama(FALSA MELISSA)+, Nó-de-cachorro sf _++ >>>>>, Romã, Unha-de-gato, .
Sintomas e Causas : Segundo (Alimentos saudáveis & Alimentos perigosos – Reader´s Digest – 1999) , é um tipo muito comum de demência, afetando populações com mais de 65 anos de idade. Seu diagnóstico deve ser feito excluindo-se a possibilidade de ser derrame, tumor cerebral, deficiências nutricionais, distúrbios da tiróide, sífilis e outras possíveis causas. Os fatores hormonais estão sendo estudados. Alguns estudo recentes indicam que nas mulheres a reposição de estrogênio podem proteger da doença. Distúrbios da tiróide estão também ligados ao risco de desenvolver a doença. Suspeitou-se durante alguns anos que o excesso de alumínio poderia provocar este mal, contudo ainda não se conseguiu provar nada neste sentido, mas mesmo assim , é recomendável evitar a ingestão de antiácidos que tenham grandes quantidades de alumínio, assim como não utilizar utensílios de cozinha que possam passar para alimento, pelo atrito do mesmo coma panelas, etc de aluminio; muito comum atualmente (colheres de metal, bastão, etc. e substitui-los por madeira, e outros materiais modernos para tal uso). Agora os pesquisadores consideram um acúmulo de zinco mais perigoso do que o alumínio, pois experiências em laboratório mostraram que o zinco pode transformar a proteína dos neurônios em entrelaçamentos semelhantes aos do Alzheimer. Outras pesquisas mostram que tomar doses elevadas de zinco podem apressar a perda da memória e outras manifestações da doença. Este mal provoca nas pessoas níveis muito baixos de colina acetil-transferase, uma enzima necessária para fabricar a acetilcolina, uma substância química do cérebro fundamental para a aprendizagem e memória. ………………………………………… Dra Ligia M. Sena -www.portaleducacao.com.br A doença pode resultado do mau funcionamento de diversas vias bioquímicas. A hipótese mais discutida,atualmente é a “hipótese colinérgica”, envolvendo a acetilcolina, acetilcolinesterase, acetilcolisneterase, acetiltrazansferase, e outras. Esta hipótese considera que tal distúrbio seja resultante de uma diminuição da quantidade disponível de acetilcolina em determinadas regiões cerebrais. Os medicamentos atuais que agem contrabalançando esta falta de acetilcolina,aumentando o nível colinérgico no cérebro, alguns podem apresentar um nível indesejável de efeitos hepatotóxicos. Ver dados da alternativa da planta Eclipta alba [erva-cidreira-de-rama] neste site. Outra hipótese que tenta explicar as razões desta doença tem associado-a com a ação de compostos de oxigênio ativas que são os oxidantes conhecidos como radicais livres. Ver dados de compostos vegetais considerados antioxidantes neste site, hoje considerados muito úteis no tratamento desta doença.
Tratamentos Propostos : Segundo Abdalla: (dirceu@paz.org.br), tomar Alzheimer (composto) ou as plantas: capitão, barbatimão, unha-de-gato, timbó (pequena dose, cuidado pela sua toxidez). No caso de preparados na forma aquosa usar: uma colher de sobremesa, usar 3 vezes ao dia. No caso de usar na forma de cápsulas contendo pó seco e moído da mistura de plantas indicadas ou de uma planta, tomar 1 cápsula, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições, “em estado de fome”, [prática que pode ser usada nas formulações aquosas] ou quando se fizer necessário.dra Ligia M. Sena – www.portaleducacao.com.br Existe também uma hipótese complementar muito aceita atualmente na tentativa de se explicar as causas da Doença de Alzheimer, hipótese essa que tem associado o distúrbio a um processo inflamatório. Peptídeos do tipo B-amilóide existentes em placas senis encontradas em em cérebros de pacientes de Alzheimer tem sido associados a processos inflamatórios nos quais espécies reativas de oxigênio são liberadas. Essas espécies reativas de oxigênio, conhecidas como radicais livres, podem causar danos a componentes celulares, além de atuarem como segundo mensageiro em processos de inflamação. Assim, compostos antioxidantes, que atuariam capturando esses radicais livres, também podem ser considerados muito úteis no tratamento do Alzheimer, principalmente em seu componente mneumônico, ou seja , relativo à memória.Nesse sentido, existe um grande número de pesquisas sobre os efeitos biológicos de plantas tradicionalmente utilizadas em infusões ou em remédios caseiros para melhorar a memória. Estes estudos podem ser in vitro ou in vivo e envolvem, frequentemente, ensaios para verificar a atividade anti-colinesterásica ou a atividade antioxidante dos extratos vegetais. Para tal finalidade, portanto, a melhor estratégica de escolha para investigação do potencial terapêutico de espécies vegetais seria testar justamente aquela indicadas pela população como capazes de melhorar a memória. E a espécie Melissa officinalis, parece ser a escolha com relação a esta atividade, em função de ser indicada para melhorar a memória há centenas de anos. E muitos trabalhos já podem ser encontrados facilmente na literatura científica, atestando justamente sua propriedade anti-colinesterásica, como um antioxidante natural e com propriedades anti-amiloidogênicas. Investigações recentes tem mostrado que extratos etanólicos ou a planta seca, da planta melissa officinalis, possuem propriedade de se ligar a receptores colinérgicos além de melhorar o desempenho da memória e aumentar a sensação de tranquilidade em 20 voluntários sadios, com uma dose de 1600 mg de extrato seco das folhas encapsulado. Teles recomenda a consulta de melhores dados,[visando atuação em prevenção e indicativos iniciais de Alzheimer] sobre plantas indicadas para melhorar a memória e as de uso como antioxidante, usando este site nas consultas rápidas, usando as palavras chaves: antioxidante e memória.
Dieta e Cuidados Recomendados : Segundo (Alimentos saudáveis & Alimentos perigosos – Reader´s Digest – 1999), certos alimentos podem retardar o aparecimento desta patologia: OVOS: boa fonte de colina, um componente da lecitina; são também ricos em proteína, ferro, vitaminas B 12, e outras vitaminas do complexo B; SOJA E DERIVADOS: ricos em colina; além de conterem proteína, carbo-hidratos, cálcio e fibras; GERMEM DE TRIGO E GRÃOS INTEGRAIS: fornecem colina; carboidratos vitamina E, vitaminas do complexo B e muitos outros minerais. O álcool deve ser sumariamente evitado pelos portadores desta patologia.Dieta recomendada (Dirceu) durante o tratamento: cortar margarinas, manteigas, carne vermelha, frituras gerais, refrigerantes (mesmo diet e tipo cola), todo tipo de gordura mesmo chocolates, usar leite desnatado com aveia fina (Oat brean), 2 vezes ao dia.
Terapias Auxiliares e Observações Farmacêuticas: Para distúrbios do sono, a associação de Melissa officinalis com Valeriana officinalis, durante 30 dias, com 600 mg diárias

Segundo (Alimentos saudáveis & Alimentos perigosos - Reader´s Digest - 1999), certos alimentos podem retardar o aparecimento desta patologia: OVOS: boa fonte de colina, um componente da lecitina; são também ricos em proteína, ferro, vitaminas B 12, e outras vitaminas do complexo B; SOJA E DERIVADOS: ricos em colina; além de conterem proteína, carbo-hidratos, cálcio e fibras; GERMEM DE TRIGO E GRÃOS INTEGRAIS: fornecem colina; carboidratos vitamina E, vitaminas do complexo B e muitos outros minerais. O álcool deve ser sumariamente evitado pelos portadores desta patologia.