Dismenorréia ou metrite; metrorragias; cólicas apar. reprod. fem. ]]}}

Plantas Relacionadas na Literatura : Agrião [agrião-de-terra-enxuta], Aipo, salsão, Alecrim, Alface, Artemísia comum (Isopo santo), Babaçu [babassu] SF, Bálsamo-de-tolú, Canela-do-ceilão+, Catinga-de-mulata +, Cimicifuga [Erva-de-são-cristóvão] SF, Espinafre sf +, Paratudo ++, Rosa-branca; rosa-de-cem-folhas ++, Salsa +, Tribulus [Viagra natural]++, .
Sintomas e Causas : Literatura: corrimentos difíceis e dolorosos na mulher, com dores nas costas, coxas e de cabeça. Dor cíclica associada às menstruações. Pode estar ligada a uma doença ou lesão de algum órgão interno do aparelho reprodutor da mulher, ou então acontece devido a pequenas alterações como contrações muito fortes do útero, orifício de passagem da menstruação é muito estreito, mau posicionamento do útero, falta de exercícios e ansiedade pré-menstrual (sendo o caso mais simples). O mecanismo que controla essas contrações não é bem conhecido, porém, a ação da progesterona fixando o cálcio na membrana celular do miométrio exerce aí, um papel muito importante. As prostaglandinas facilitam a passagem do cálcio da membrana celular para os elementos contráteis. Pode ser classificada em dismenorréia espasmódica, quando a dor é relatada no início da menstruação e localizada principalmente no útero, e dismenorréia congestiva ou secundária, quando ocorre antes ou depois da menstruação, podendo se localizar em algum órgão em torno do útero.
Tratamentos Propostos : Sergundo Dirceu (dirceu@paz.org.br), tomar Útero-ovário (tisana Dirceu com as plantas: bardana, folha, raiz; gordinha, casca; milirramas, folíolos; rosa-branca, pétalas), alternado com: Milirramas [Achilleia millefolium] (que pode ser substituida por Catinga-de-mulata [Tanacetum vulgare],e, Babosa [Aloe arborensis]. Aplicar cataplasma de argila nos locais doloridos. No caso de preparados na forma aquosa usar: uma colher de sobremesa, usar 3 vezes ao dia. No caso de usar na forma de cápsulas contendo pó seco e moído da mistura de plantas indicadas ou de uma planta, tomar 1 cápsula, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições,”em estado de fome”, ou quando se fizer necessário. Segundo Dr. Degmar Ferro: usar as plantas: Artemísia comum (Artemisia vulgaris, planta toda, infuso, tintura, pó; Calêndula (Calendula officinalis), flor, tintura ou chá; Dong quai (Angelica sinensis), cps do pó, ação por diminuição das prostaglandinas inflamatórias; Mil-em-ramas (Achilleia milifollium), planta toda, ação espasmolítica na crise e diminuição da metrorragias se tomada por tempo prolongado; Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae), entrecasca, tintura nas crises de cólicas; Cimicífuga (Cimicifuga racemosa), ação hormonal e antiinflamatória; Laranjinha-do-mato (Colocynthis spp), folhas, nas crises de cólica; Viburno, mundillo, (Viburnum opulus), planta muito usada nos casos de cólicas digestivas e uterinas; Yam mexicano (Dioscorea villosa), fornece estrogênio, devendo ser usado por longo período, durante todo o ciclo; Orégano (Origanum vulgaris), parte aérea, infuso, usar durante a menstruação, ao primeiro sinal de cólica; Alecrim (Rosmarinus officinalis), parte aérea, preventivo, infuso; Agripalma (Leonorus cardiaca), partes aéreas, usada tradicionalmente para ansiedade, palpitações, dismenorréia, doses diluídas devido sua toxidade; Rubim, erva-macaé, (Leonorus sibiricus), parte aérea, infuso; Boldo-do-chile (Poemus boldus), folhas, tintura, dose de 40 a 50 gotas/ água ou chá na hora das crises, podendo ser repetidas 4 vezes, uma a cada 30 minutos.
Dieta e Cuidados Recomendados : Dieta leve. Regime leve, cortando-se gorduras, frituras, alimentos picantes e excitante tais como café, chocolate, bebidas diet. Fazer exercícios regularmente. Não criar situações de estresse ou fadiga. Não ficar muito tempo em pé. Tomar lecitina de soja e levedo de cerveja.

Plantas Relacionadas na Literatura : Agrião [agrião-de-terra-enxuta], Aipo, salsão, Alecrim, Alface, Artemísia comum (Isopo santo), Babaçu [babassu] SF, Bálsamo-de-tolú, Canela-do-ceilão+, Catinga-de-mulata +, Cimicifuga [Erva-de-são-cristóvão] SF, Espinafre sf +, Paratudo ++, Rosa-branca; rosa-de-cem-folhas ++, Salsa +, Tribulus [Viagra natural]++, .
Sintomas e Causas : Literatura: corrimentos difíceis e dolorosos na mulher, com dores nas costas, coxas e de cabeça. Dor cíclica associada às menstruações. Pode estar ligada a uma doença ou lesão de algum órgão interno do aparelho reprodutor da mulher, ou então acontece devido a pequenas alterações como contrações muito fortes do útero, orifício de passagem da menstruação é muito estreito, mau posicionamento do útero, falta de exercícios e ansiedade pré-menstrual (sendo o caso mais simples). O mecanismo que controla essas contrações não é bem conhecido, porém, a ação da progesterona fixando o cálcio na membrana celular do miométrio exerce aí, um papel muito importante. As prostaglandinas facilitam a passagem do cálcio da membrana celular para os elementos contráteis. Pode ser classificada em dismenorréia espasmódica, quando a dor é relatada no início da menstruação e localizada principalmente no útero, e dismenorréia congestiva ou secundária, quando ocorre antes ou depois da menstruação, podendo se localizar em algum órgão em torno do útero.
Tratamentos Propostos : Sergundo Dirceu (dirceu@paz.org.br), tomar Útero-ovário (tisana Dirceu com as plantas: bardana, folha, raiz; gordinha, casca; milirramas, folíolos; rosa-branca, pétalas), alternado com: Milirramas [Achilleia millefolium] (que pode ser substituida por Catinga-de-mulata [Tanacetum vulgare],e, Babosa [Aloe arborensis]. Aplicar cataplasma de argila nos locais doloridos. No caso de preparados na forma aquosa usar: uma colher de sobremesa, usar 3 vezes ao dia. No caso de usar na forma de cápsulas contendo pó seco e moído da mistura de plantas indicadas ou de uma planta, tomar 1 cápsula, 3 vezes ao dia, 15 minutos antes das refeições,”em estado de fome”, ou quando se fizer necessário. Segundo Dr. Degmar Ferro: usar as plantas: Artemísia comum (Artemisia vulgaris, planta toda, infuso, tintura, pó; Calêndula (Calendula officinalis), flor, tintura ou chá; Dong quai (Angelica sinensis), cps do pó, ação por diminuição das prostaglandinas inflamatórias; Mil-em-ramas (Achilleia milifollium), planta toda, ação espasmolítica na crise e diminuição da metrorragias se tomada por tempo prolongado; Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae), entrecasca, tintura nas crises de cólicas; Cimicífuga (Cimicifuga racemosa), ação hormonal e antiinflamatória; Laranjinha-do-mato (Colocynthis spp), folhas, nas crises de cólica; Viburno, mundillo, (Viburnum opulus), planta muito usada nos casos de cólicas digestivas e uterinas; Yam mexicano (Dioscorea villosa), fornece estrogênio, devendo ser usado por longo período, durante todo o ciclo; Orégano (Origanum vulgaris), parte aérea, infuso, usar durante a menstruação, ao primeiro sinal de cólica; Alecrim (Rosmarinus officinalis), parte aérea, preventivo, infuso; Agripalma (Leonorus cardiaca), partes aéreas, usada tradicionalmente para ansiedade, palpitações, dismenorréia, doses diluídas devido sua toxidade; Rubim, erva-macaé, (Leonorus sibiricus), parte aérea, infuso; Boldo-do-chile (Poemus boldus), folhas, tintura, dose de 40 a 50 gotas/ água ou chá na hora das crises, podendo ser repetidas 4 vezes, uma a cada 30 minutos.
a e Cuidados Recomendados : Dieta leve. Regime leve, cortando-se gorduras, frituras, alimentos picantes e excitante tais como café, chocolate, bebidas diet. Fazer exercícios regularmente. Não criar situações de estresse ou fadiga. Não ficar muito tempo em pé. Tomar lecitina de soja e levedo de cerveja.

Dieta leve. Regime leve, cortando-se gorduras, frituras, alimentos picantes e excitante tais como café, chocolate, bebidas diet. Fazer exercícios regularmente. Não criar situações de estresse ou fadiga. Não ficar muito tempo em pé. Tomar lecitina de soja e levedo de cerveja.