Taboa –

Nome cientifico: Typha angustifolia; Typha latifolia

Sinonímia: Tabua, partasana, bucha, paineira-de-flexa, paineira-de-brejo, espadana, landim, capim-de-esteira, pau-de-lagoa, tabebuia, erva-de-esteira, paina-de-flexa.

Composição Química:

Botsaris: isorhamnetina, triterpenos [B-amirina, lupeol], pentacosane, sistosterol, ácido palmítico, alfa-tifasterol, flavonóides, óleos essenciais, ácido esteárico.


Dados para Cultivo

Propagação: planta nativa, em alagados e áreas úmidas

Espaçamento: planta nativa, ocupa represas e lagoas

Época de Plantio: planta expontânea de lagoas e represas

Época Colheita: rizoma: ano todo; pólen da flor [época de florescimento]


Informações Gerais

Contra Indicações:

Botsaris: não usar na gravidez, pois pode levar ao abortamento.

Valor Alimenticio:

Os rizomas cozidos são comestíveis.

Observações:

Dose normal : 3 a 5 xícaras diárias; tomar o chá preparado no mesmo dia, evitando-se guarda-lo de um dia para outro; as dosagens para crianças devem ser a metade da dos adultos. Ver detalhes no Glossário.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Botsaris recomenda o uso do pólen da flor, em decoção, na dose de 4,5 a 10 gramas, sendo crua para dispersar o sangue, e tostada para efeito hemostático ou diurético: nas seguintes funções: hemostático: sangramentos internos e externos; promove a circulação do sangue, sangramento uterino, angina pectoris, dissolve abcessos, promove diurese,

Uso Normal:

Rizomas, uso interno, decoto, dose normal: afecções das vias urinárias, rins, bexiga, diarreia, disenterias, debilidade geral, anemia. Uso externo, decoto, banhos ou compressas: emoliente e tônico

Foto:

Foto 2: