Sabugueiro

Nome cientifico: Sambucus nigra L.; S. australis.

Sinonímia: Acapora, sabugo-negro, sabugueirinho, sabugueiro-do-brasil, sabugueiro-do-rio-grande.

Composição Química:

Flavonoides, terpenos, esteroides, glicosídeos, alcaloides, ácidos graxos. As folhas contem um glicosídeo cianogênico tóxico (não se usar oralmente)


Dados para Cultivo

Propagação: Sementes ou estacas enraizadas.

Espaçamento: Planta nativa.

Época de Plantio: Planta nativa.

Época Colheita: Casca: ano todo; flores: verão e outono.


Informações Gerais

Contra Indicações:

As folhas tem um glicosídeo cianogênico tóxico não podendo ser usadas via oral. Os frutos verdes são muito tóxicos pela alta concentração de alcaloides. Pode provocar irritação gastrointestinal severa em superdosagens. (Dr. Ferro)

Valor Alimenticio:

Suas flores são usadas em culinária e para aromatizar geleias.

Observações:

Seu uso é conhecido desde a Idade da Pedra pelo homem. Gregos e romanos a usaram desde a antiguidade.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, infusão com flores secas, usando 2 xícaras de café de material moído em 0,5 litro de água, tomar 1 xícara de chá, 6 vezes ao dia: específico no tratamento do sarampo (usar flores secas e nas demais usar folhas), catapora, nas febres, como sudorífero (que faz suar). Folhas (ver contra indicação) e casca são usadas para problemas respiratórios, sendo também diurética, antipirética, anticéptica, cicatrizante, anti-inflamatória. Entrecasca usando-se uma colher de chá, em 1 xícara de chá de água fervente sem cloro, para reumatismo, artrite, gota, nefrite, cálculos renais.

Uso Normal:

Uso interno, infusão , folhas secas, 2 xícaras de café de material em 0,5 litro de água : diurético, gripes, anginas, para abaixar o ácido úrico, depurativo, reumatismo, febre, pressão alta, problemas de rins e bexiga. Frutos são usados internamente contra gripes, resfriados, sinusite, eliminação do catarro. Casca usada para artrite.

Características:

Arbusto grande ou arvoreta de 3-4 m de altura, de copa irregular e bastante ramificada, com tronco tortuoso e casca fissurada, nativa do sul da América do Sul, incluindo o Brasil; folhas compostas imparipenadas, com 5-7 folíolos membranáceos, de superfície brilhante com nervuras salientes, exalando forte odor desagradável quando amassadas; flores pequenas de cor branca odorífera reunidas em inflorescência corimbosas terminais; os frutos são drupas globosas, de cor roxo-escura quando maduros contendo 3-5 sementes. Multiplica-se por sementes ou por estacas. No hemisfério norte existe a espécie Sambucos nigra, com propriedades muito semelhantes, mas com número menor de folíolos. No Brasil a espécie mais comum pode ser a Sambucus autralis .

Foto:

Foto 2: