Quebra-pedra –

Nome cientifico: Phyllantus niruri L. [Phylantus corcovatensisi L [Centhaura calcitrappa

Sinonímia: Arrebenta-pedra, erva-pombinha, saxifraga, arranca-pedras, fura-parede, conami, quebra-pedra-branco, saudade-de-mulher, arranca-pedras, conami, quebra-panela, saúde-da-mulher, saxifraga,

Composição Química:

Vários flavonóides, lignanas, triterpenóides, alcalóide pirrolizidínico.
Glicoalcalóide: FILANTINA [QUE AGE COMO DIURÉTICO E COMO ANALGÉSICO].
www.portaleducacao.com.br: extrato etanólico das folhas apresenta substância chamada FILANTOL. Este vegetal caracteriza-se muito mais pela sua ação diurética. Atualmente isolaram-se nela, substâncias anestésicas mais potentes que a morfina e cocaína.


Dados para Cultivo

Propagação: planta expontânea , semente

Espaçamento: planta expontânea

Época de Plantio: planta expontânea

Época Colheita: planta toda, até raiz: ano todo (planta expontânea )


Informações Gerais

Contra Indicações:

Seu alcaloide pode ter uma potencial ação tóxica, portanto deve-se tomar cuidado com excesso de dose. Deve-se parar seu uso por uma semana, após o uso de três semanas, no caso de tratamentos demorados.
www.plantamed.com.br: Contra-indicações/cuidados: não deve ser utilizada por crianças, gestantes e lactantes, pois algumas substâncias da planta conseguem atravessar a placenta e são excretadas pelo leite materno. Pessoas com alergia a plantas do gênero Phyllanthus também não devem fazer uso. Abortiva e purgativa em altas doses. Pode ser tóxica em doses muito elevadas.
O uso prolongado (mais de 21 dias seguidos) ou em altas doses provoca desmineralização (PERDA DE SAIS ) do organismo.


Preparo e Conservação

Extrato Peso/Volume: 10


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, infusão,15% peso planta/água, material a usar: toda a planta (inclusive a raiz), 1 xícara de café da planta picada em 0,5 litro de água: específico na hepatite tipo B e C , principalmente quando aplicado com injeção (produção farmacêutica exclusiva), pois via oral pode ser desativado no estômago ( ambiente muito ácido – HCl em estudo); pode ser usado também na forma de cápsulas de desintegração entérica pois dessa forma evita a ação do suco gástrico e é absorvida no intestino; problemas de rins (ocorrência de pedras, litíase renal), remédio para os rins, para urinar mais, pois promove um relaxamento dos ureteres [aumento considerável do seu calibre e uma ação analgésica, permitindo a saída das pedras ]. Dose usual: chá por fervura, com 40 g da planta fresca ou 20 g da planta seca e moída, para 1 litro de água sem cloro, tomando-se 1 xícara de chá, 3 vezes ao dia. Um laboratório americano já patenteou sua ação antiviral na hepatite B.
www.plantamed.com.br: Modo de usar:
Decocção: ferver durante 10 minutos 10 g (planta seca) em 1 litro de água. Tomar 2 a 3 xícaras ao dia.
– Para a eliminação do cálculo renal, tomar o chá a vontade durante o dia, durante 3 semanas. Parar 7 dias e então, se necessário, repetir.
– Distúrbios renais: 30g/litro (planta fresca). Tomar 3 xícaras ao dia.
– Câncer: 40g/litro. Tomar 3 xícaras ao dia.
– Diabetes: 75g/litro. Tomar 2 xícaras ao dia.
– Diurese: 35g/litro. Tomar 3 xícaras ao dia
– Extrato fluido: 1 a 4 ml ao dia.
– Tintura: 5 a 20 ml ao dia.
– Pó: 0,5 a 2 g ao dia.

Uso Normal:

Uso interno, planta toda com raiz, infusão: vaso dilatador das vias urinárias, afecções da bexiga; abaixa a pressão arterial (atuando como diurético), aumenta a filtração glomerular e eliminação do ácido úrico, auxilia no reumatismo gotoso.

Uso Normal:

Nos cálculos renais junto com Esporão, auxilia no tratamento da próstata

Características:

Euforbiáceasa. Erva ruderal, ereta, anual, ramificada horizontalmente, glabra, com cerca de 80 cm altura, tem folhas simples, membranáceas, e dispostas nos ramos como se fossem folhas compostas, tem flores diminutas, colocadas nas axilas das folhas, contudo viradas para baixo, tem frutos tipo cápsula, tricoca. Ocorre desde o sul da América do Norte, e fartamente no Brasil, sendo comum nos lugares mais exóticos, como calçadas, terrenos baldios, etc. Existem várias espécies de Phyllanthus, parecidas entre si e com mesmas propriedades.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: