Poejo Miúdo (Poejo) –

Nome cientifico: Mentha pulegium, L

Sinonímia: Poejo-das-hortas, erva-de-são-lourenço, poejo-real, poejo, poejinho, poejo-do-rei, hortelã-miúda, menta-selvagem, vique.

Composição Química:

Óleo essencial (até 2%) – pulegona- , tanino, mentona, isomentona, flavonóides: diosmina, hesperidina, ácido rosmárico (também existente no alecrim)


Dados para Cultivo

Propagação: divisão de touceira, crescimento estolonífero

Espaçamento: forma grandes áreas à partir de uma moita inicial

Época de Plantio: com irrigação: ano todo

Época Colheita: parte áerea florida: primavera e verão


Informações Gerais

Contra Indicações:

Em doses elevadas, aproximadamente 5 g do óleo essencial, tem ação abortiva e hepatotóxica, sendo seu uso Nos USA e Europa não recomendado para uso oral.

Ação: Emenagoga

Alonso, (Pharmacia Brasileira – jun/jul 2002)

Valor Alimenticio:

As folhas servem para condimentar carnes , molhos e hortaliças, podendo também acompanhar as saladas de frutas e verduras .


Preparo e Conservação

Extrato Peso/Volume: 10


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, infusão, plantas durante a floração, 15% de peso da planta em relação a água: específica para arroto, gases do estômago, diarreia infantil, distúrbios do sistema nervoso do recém-nascido, menstruação difícil, amenorreia, gota, resfriados.

Uso Normal:

Usando a planta toda florida, fresca, na: anorexia, distúrbios gastro-intestinais, flatulência, helmintíase (vermes intestinais) ,enjoo, hidropsia, catarros, tosses, histeria, insônia, reumatismo, para aumentar a micção (urina). Externamente, é usada para tratamento de pele.

Características:

Erva de crescimento rasteiro, perene, de hábitos parecidos com grama, com folhas muito aromáticas, de folhas pequenas, limbo pontilhado, com glândulas translúcidas, flores de corola violeta, agrupadas em fascículos nas axilas das folhas. Nativa da Europa, Ásia e Arábia, mas distribuída por inúmeros países de clima temperado. Gosta de umidade.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: