Maracujá (Várias espécies Passiflora spp)-

Nome cientifico: Passiflora alata; P. spp, P. edulis Sims; P. quadrangularis

Sinonímia: Lorenzi: P. alata: maracujá, maracujá-doce,maracujá-açu, maracujá-melão, maracutão.
P.ambigua: maracujá-doce; P.edulis: maracujá-azedo, maracujá-roxo, maracujá; P.quadrangularis: maracujá-açu, maracujá-mamão.
.................................................
Dra Ligia Moreiras Sena [www.portaleducacao.com.br]
maracujá-amarelo; maracujá-de-colher; granadilha [ameerica latina]; passion fruit [língua inglesa]; maytop [língua inglesa].
P. spp: Maracujá-de-suco, maracujá-azedo, maracuja-liso, maracujá-peroba, maracujazeiro, maracujá-ácido.

Composição Química:

Ufla: UF Lavras MG:
Fonte de Vit. A, Vit. B1 (Tiamina), Vit. B2 (Riboflavina), Vit. B5 (Niacina), Vit. C (ácido ascórbico), fósforo, ferro, passiflorina, cardioespasmódica, crisina, exotoxina.
…………………………………………..
Dra Ligia Moreiras Sena [www.portaleducacao.com.br]:
Alcaloides, flavonoides, fenóis, compostos cianogênicos.
P. incarnata: luteina, apigenina, quercetina, canfenol, vite xina, isocitotoxina, orientia, isorientada, entre outros.
Estes estudam salientam que esta espécia é a mais estudada, contudo as demais também apresentam inúmeros compostos importantes fito terapicamente, principalmente com relação a ansiedade.No Brasil as mais estudadas são: P. alata, P. edulis, P. incarnata.
Estudos brasileiros tem indicado como dose letal 50% em camundongos de laboratório a de 456 mg/kg de peso vivo , mas as doses estudas como terapêuticas foram: 75 150 mg/kg, o que dá ideia da segurança destes estratos no uso humano.
Outro brilhante estudo feito no Brasil com P.edulis apresenta que o mesmo estrato aquoso prolongou o tempo de sono induzido por barbitúricos e morfina, além de bloquear parcialmente os esfeitos estimulantes induzidos por anfetamina [sem apresentar contudo as doses usadas neste estudo]. Para avaliação de combate a ansiedade foram usados testes modelo de labirinto em cruz elevado [ o mais eficiente para avaliar o controle de ansiedade nestes animais, e supostamente no homem !].
Um trabalho relizado em 2001 com cerca de 65 pacientes, com dependência com opiáceos, indica que o estrato do P. incarnata mostrou-se benéfico no tratamento dos sintomas mentais da síndrome de abstinência. As comparações foram feitas com o composto clonidina e placebo. Outro trabalho do mesmo grupo analisou o extrato da P.incarnata, usando-se cápsulas contendo extrato em pacientes com diagnóstico de ansiedade generalizada, e os resultados foi tão eficaz quanto uso do produto oxazepam [droga benzodiazepínica], sem apresentarem os efeitos colaterais da mesma.


Dados para Cultivo

Propagação: sementes ou mudas [inclusive por enxertia].

Espaçamento: 5-6 m entre plantas e 3-4 m entre ruas (espaldeira): plantio comercial

Época de Plantio: pode ser planta nativa, espontânea, cresce como trepadeira [ maioria das espécies]

Época Colheita: folhas: ano todo; frutos (casca dos frutos,polpa e sementes com mucilagem): novembro a julho (2 vezes/semana), pico: fev


Informações Gerais

Contra Indicações:

Por ser um excelente calmante, pode diminuir momentaneamente o libido. A cardio espermina pode se transformar em ácido cianídrico por hidrólise, recomendando-se portanto a fervura demorada do chá para elimina-lo, além de evitar altas doses e seu uso por longos períodos. Pode causar intoxicação cianídrica em altas doses por tempo prolongado, principalmente se seu uso for das folhas frescas. (Dr. Ferro); Potencializa os barbitúricos e antagoniza as anfetaminas. (Dr. Ferro)
www.plantamed.com.br: pode abaixar a pressão arterial.

Valor Alimenticio:

Com as sementes frescas [ e sua goma] faz-se um delicioso suco, doces, mouse, etc., ou pode-se come-las com sua goma adocicada.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Dra Ligia Moreiras Sena [www.portaleducacao.com.br]:
Primeira descrição do seu uso medicinal foi feito pelo pesquisador espanhol Monardus em 1569 no Peru; farmacopeias do mundo todo [Britânica, Norte-americana, Indiana, Helvética, Alemã, Francesa, etc.] citam monografias do seu uso, mas muitas destas da P. incarnata. Na farmacopéia brasileira usa-se a P. alata principalmente. Usos populares: como diurético, anti-inflamatório, anti-helmíntico, alterações nervosas principalmente na ansiedade, na tensão pré menstrual, insônia de criança, convulsões principalmente infantis; hiperestimulação nervosa; sedativa; erisipela [pele]; antidiarreico; tônico, hipertensão; sintomas da menopausa; cólicas infantis; calmante; epilepsia; insônia; no Brasil: analgésica, antiespasmódica, antiasmática, sedativa [Passiflora edulis nas alterações das condições nervosas.
…………………………………………..
Ufla: Lavras MG:
Devido aos alcaloides e flavonoides, o maracujá age como depressor inespecífico do sistema nervoso central, resultando em uma ação sedativa, tranqüilizante [calmante] e antiespasmódica da musculatura lisa. Uso interno: infuso ou decoto das folhas, frutos e sementes (arilo), a 1%, tomar: 50 a 200 ml por dia. Extrato fluido em álcool 25%: 0,5 a 1 ml 3 vezes ao dia. Tintura: 1:8 em álcool 45 %, 0,5 a 2 ml , três vezes ao dia. Pó: 0,25 a 1 g, 3 vezes ao dia.
…………………………………………….
O laboratório Myralis Pharma, divulga que: extensos estudos em animais demonstrou o mecanismo de ação Gabaérgico da Passiflora, sem utilizar os receptores benzodiazepínicos, tem portanto uma função benzodiazepínico-like, ou seja, é tão eficaz quanto o benzodiazepínico, mas com menor incidência de efeitos colaterais.

Uso Normal:

A casca do fruto, seca e moída, uma colher de café rasa por pessoa, misturado na forma de pó nos alimentos, sucos, frutas, etc., durante as principais refeições, contra: diabete, hipertensão. Como uso externo, na forma de chá por decoção, como banhos quentes ou sob forma de cataplasma: para artritismo e gota. Para hemorroidas, usar folhas trituradas (frescas), aplicadas sobre os tumores hemorroidais, ou chá por decoção, sob forma de clister (equipamento de lavagem intestinal).

Características:

Originária da América tropical, ocorre do Amazonas até São Paulo; adapta-se em clima quente e úmido, não resiste a geadas; não tolera solos encharcados; pH ideal varia de 5 a 6. É trepadeira, de caule quase quadrangular [P. quadrangularis], folhas oval-oblongas ou ovais, de 11 a 18 cm comprimento , pedúnculos florais solitários, axilares, flores pendentes, com 11 a 17 cm de diâmetro, pétalas sub-carnosas, internamente avermelhadas, fruto ovoide, obovoide ou piriforme, de 8 a 11 cm comprimento, na base e no ápice um tanto escavados.

Dra Ligia Moreiras Sena [www.portaleducacao.com.br]:
Acredita-se que os primeiros cultivos destas plantas não foram por causa dos frutos ou folhas, mas sim pelas suas belas flores, por razões paisagísticas.
São plantas herbáceas, arbustivas, e trepadeiras vigorosas que se sustentas com auxílio de gavinhas, de caule frequentemente sulcado. Florescem de dezembro a abril. As sementes são achatadas, pretas, envolvidas por um arilo de textura gelatinosa de coloração amarela translúcida. Frutificam durante todo o ano, com menos intensidade de maio a agosto dependendo da região. Ocupam todo o planeta com exceção da africa tropical, austrália, ásia e árticos.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: