Guiné (Erva-de-guiné; Erva-gambá)-

Nome cientifico: Petiveria alliacea L.

Sinonímia: Erva-de-guiné, pipi, piti, cagambá, erva-de-gambá, cangambá, embiaiendo, embirembo, emboaembo, erva-pipi, tipi, teté, erva-de-alho, amansa-senhor, tipi-verdadeiro, raíz-de-guiné, gambá-tipi, enraiembo, erva-de-tipi, macura-caá, gambá, gerataca, gorana-timbó, gorarema, gorazema, iratacaca, macura, ocoembro, paraacaca, paracoca, pau-de-guiné, raíz-de-congonha, raíz-de-gambá, raíz-de-pipi, raíz-do-congo, mucuracaá.

Composição Química:

Óleo essencial, petiverina, glucosídeo e saponinas, nitrato de potássio, ácido palmítico, linoléico e esteárico, beta-sistosterol, trisulfeto de dibenzila, nitrato de sódio, ácido glutâmico, serina glicinol, alantoina, cumarinas, taninos, trissulfeto de dialina, derivados benzênicos.


Dados para Cultivo

Propagação: planta nativa, sementes

Espaçamento: planta nativa, em canteiros: 30x40 cm

Época de Plantio: planta nativa, em canteiros irrigados: ano todo

Época Colheita: folhas e planta inteira: período vegetativo. Antes florescimento


Informações Gerais

Contra Indicações:

O pó da raíz em pequenas doses produz insônia, alucinações e abala o sistema nervoso, portanto é de uso restrito ou essencialmente externo. Seu uso interno contínuo determina apatia, imbecilidade e pode resultar em morte. Os escravos usavam para amansar os seus senhores. Pode provocar abortos.
Não pode ser usada pela grávidas.

Observações:

A queima de suas folhas pode afugentar insetos. Planta toda com odor de alho.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Estudos recentes levam ao uso de seus componentes (derivados benzênicos) na leucemia linfocítica.

Uso Normal:

Uso da planta inteira triturada com álcool, em fricções, nos reumatismos, dores musculares, inchaço das mãos e pés simultaneamente, inchaços genéricos [edemas[, artrite, artrose, hipoestrogenismo, combate Staphylococcus aureus. Usa-se suas folhas, amassadas no local afetado, nas dores de cabeça, e dor de dente. Ver contra indicação.

Características:

Sub-arbusto com até 2 m altura, perene, sublenhoso, com ramos finos, compridos e ascendentes, laxo-angulosos, folhas estipuladas, alternas, sublenhosas, membranáceas, elípticas, lanceoladas, ovados acuminado, inflorescência axilar terminal, delicada, laxa, muito longas, flores bracteadas, cor esbranquiçadas, ou levemente rosadas, fruto aquênio, achatado, e carenado. Originária da Amazônia, podendo tornar-se planta invasora e de difícil erradicação.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: