Folha-da-fortuna (Saião)

Nome cientifico: Bryophyllum calycinum, Kalanchoe pinnata Lam.

Sinonímia: Courama, coirama, folha-da-costa, forturna, folha-de-pirarucu, pirarucu.

Composição Química:

Bufoflavonídeos: briofilina B e briofilina C; álcoois simples, triterpenos e esteróis, flavonóides livres: quercetina, kaempferol e glicosilados, derivados da patuletina com rhamnose.


Dados para Cultivo

Propagação: muda: folha parcialmente enterrada e enraizada

Espaçamento: planta ornamental

Época de Plantio: planta expontânea, ornamental , com irrigação: ano todo

Época Colheita: folhas, esmagadas ou seu sumo: ano todo


Informações Gerais

Contra Indicações:

Lorenzi: apesar de ensaios terem mostrado total ausência de ação tóxica, não deve ser usada continuamente, por causa do risco de causar hipotireoidismo (Ferreira A.C.F., D. Rosenthal & D.P. Carvalho, 2000). Pode apresentar efeito antitireoidiano se seu uso for prolongado. (Dr. Ferro)


Uso Medicinal

Uso Principal:

Usada no tratamento local de furúnculos, e via oral no preparo de xarope para tosse; tratamento caseiro da anexite e gastrite (sumo de duas folhas diluídos em meio copo de água sem cloro, e com dose de 10-20 ml tomados antes da primeira refeição diariamente, até acabarem os sintomas); foram observadas atividade antiinflamatória, antialérgicas, antiúlcera e imunossupressiva, além de uma eficácia em leishmaniose, especialmente a cutânea (“ferida-brava”). Dados de pesquisa:
Segundo a cientista,a planta, apesar de vir de fora já é considerada pelos pesquisadores como brasileira. No Instituto de Biofísica da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Sonia Costa e a pesquisadora Bartira Bergmann descobriram que esta planta que se estabeleceu no Brasil há séculos, pode ser a chance de um tratamento sem dor e mais barato, também para a leishmaniose. A Kalanchoe pinnata, nome científico do saião, estimula o sistema de defesa do organismo a combater o causador da doença. Com o saião, o óxido nítrico presente no corpo humano é ativado e mata a leishmania, deixando inativa essa célula que iria evoluir a doença. Além de deixar inativa, a planta ajuda na cicatrização das feridas que são conseqüência da doença. Da descoberta, a pesquisadora fez já um teste clínico em uma pessoa, o militar Emílio Carlos Torres dos Santos, do Batalhão de Infantaria paraquedista.

Uso Normal:

As folhas, usadas na forma de emplastos, cataplasma, sucos, nas contusões, furúnculos, queimaduras, como cicatrizante.

Uso Normal:

Na forma de xaropes caseiros para tosses, associado à folha de Malvarisco (Plectranthus amboinicus), ou ipecacuanha-da-praia (Hybanthus ipecacuamnha), e a cebolinha-branca (Allium scalonium L.)

Características:

FOLHA-DA-FORTUNA [Bryophyllum pinnatum]
Descrição: Planta da família das Crassulaceae, Originária da África, planta sublenhosa, perene, carnosa, 1,5 de altura; caule de cor mais clara e os demais avermelhados; flores hermafroditas, tubulosas, penduladas, verde-pálidas ou amarelo-avermelhadas.
fonte: http://www.ervas.biz/ervas/folha-da-fortuna.html

Teles: esta planta apresenta uma curiosidade: suas folhas tem nas suas bordas, reentrenças que possuem gemas para desenvolverem raízes, assim, suas folhas quando enterradas 1/2 do seu tamanho, em solo adequado, e regadas, na meia sombra, produzem mudas para transplante em canteiros.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: