Erva-botão

Nome cientifico: Eclipta prostata L - Eclipta alba L.

Sinonímia: Agrião-do-brejo, lanceta, surucuína, coacica, coatiá, quebra-pedra, sucurima, cravo-brabo, erva-lanceta, tangaracá.
Botsaris: surucuína, tamgaracá.
UFLA-FAEPE-Pinto; Santiago-Lamira

Composição Química:

Seu princípio ativo mais importante é a wedelolactona (flavonóide) do tipo comestanol, hentriacontanol, 14-heptacosanol, estigmasterol, triterpenóides, polipeptídeos, poliacetilenos, derivados do tiofeno, nicotina e glicosídeos triterpênicos,dismetilwedelactona, desmetilwedelolactona-7-glicosídeo, açúcares redutores, ácido wedelico, tertienilcarbinol, B-amirina, esteróides, ácidos protocatequino, 4-hidroxibenzóico,
www.inova-unicamp.com.br:A planta Eclipta prostrata – Asteraceae, conhecida como erva-botão, e muito usada na medicina popular como antiofídica, reduziu a letalidade e antagonizou a miotoxicidade do veneno de Crotalus durissus terrificus. Desta planta, separou-se três constituintes básicos: wedelolactona, stigmasterol e sitosterol, que também apresentaram proteção contra doses letais deste veneno (Martz, 1992). Melo et al. (1994) testaram os efeitos tanto do extrato bruto de Eclipta prostrata, quanto da wedelolactona. Os resultados obtidos mostraram a presença de substâncias antiproteolíticas e anti-hemorrágicas, sugerindo a eficiência desta planta e de seus componentes no tratamento de envenenamentos., UFLA-FAEPE-Pinto; Santiago-Lamira


Dados para Cultivo

Propagação: planta expontânea ,sementes

Espaçamento: planta expontânea

Época de Plantio: planta expontânea

Época Colheita: planta toda, folhas, ramos: ano todo (período vegetativo; melhor: antes florescimento)


Informações Gerais

Contra Indicações:

Botsaris: contra indicada na ocorrencia de sangramentos, nas diarréias [como adstringente](pois, piora o caso]


Uso Medicinal

Uso Principal:

Sua principal atividade é a de hepatoprotetor e imunoestimulante (com comprovação científica); uso de partes aéreas em decoção, dose: 9-30 gramas- (flavonóide tipo comestanol): wedelolactona (que atua fortemente na imuno deficiência) , desmetilwedelolactona). O extrato desta planta, folhas e ramos, tem ação protetora do fígado inibindo a ação necrosante do tetracloreto de carbono. Na Índia e China faz parte da medicina Ayuvedica (milenar), usada como hepatoprotetora no tratamento de hepatites a vírus ou tóxicas., UFLA-FAEPE-Pinto; Santiago-Lamira

Uso Normal:

No Brasil usa-se folhas e ramos, para: tosse, bronquite, asma, diarreia, sífilis. Alguns dados indicam que seu suco das folhas pode melhorar casos de picadas de escorpião e cobras (comprovada cientificamente).
www.plantamed.com.br: atua nas hemorragias (externas); no cálculo renal; no cálculo da vesícula; como adstringente nas diarréias; como cicatrizante.
Botsaris a indica nos casos e apresenta dados de pesquisa: efeito hemostático, no caso de difteria [com bons resultados clínicos comprovados); efeito hepatoprotetor; efeito antibacteriano [Echeria coli; Saccharomices cereviseae, Candida albicans]; efeito antiviral [virus Newcastle]; icterícia; desopilador do fígado; litagogo; litíase biliar; antiofídico; laxante, antiasmático. Externamente como adstringente [ver contra-indicação, a seguir]; cicatrizante e resolutivo para queimaduras, feridas e czemas; para promover crescimento de pêlos e cabelos.

UFLA-FAEPE-Pinto; Santiago-Lamira

Características:

www.inova.unicamp.com.br: A erva botão (Eclipta alba Hassk) é uma planta encontrada na região dos trópicos e espontânea nos ambientes úmidos do Brasil; erva silvestre, ereta, de ramos tenros e com flores em capítulos cônicos de bordas mais claras. Propaga-se principalmente por sementes e apresenta bom desenvolvimento em canteiros ricos em matéria orgânica e úmidos. O interesse pelo emprego das plantas como antiofídicos começou em 1980 quando o pesquisador japonês Koji Nakanishi verificou a eficácia do medicamento Específico Pessoa, remédio popular utilizado há anos pelos cearenses para neutralizar venenos de picadas de animais e fabricado pelo Laboratório Frota, Ceará. Entretanto, não conseguiram descobrir quais eram as plantas utilizadas no preparo do remédio. UFLA-FAEPE-Pinto; Santiago-Lamira

Foto:

Foto 2: