Cará

Nome cientifico: Dioscorea alata L (Dioscorea spp).

Sinonímia: Cultivar Flórida, cará de são tomé,cará doce, cará-da-costa, cará-tabica, cará-negro, cará-mandioca,
* cará-pedra * cará-do-mato * cará-do-ar
* cará-açu * cará-da-terra * cará-de-caboclo
* cará-de-sapateiro * cará-do-campo * cará-inhame
[www.colegiosaofrancisco.com.br]

Composição Química:

Grande quantidade de vitaminas do complexo B (tiamina, riboflavina, piridoxina).
A composição por 100g. de polpa do tubérculo é: calorias (135), proteína (2,3g.), cálcio (28mg.), fósforo (52mg.), ferro (2,9g.), Vit. A (30mg.), Vit. B1 (0,04mg.), Vit. B2 (0,02mg.) e Vit. C (35mg.) [www.colegiosaofrancisco.com.br].


Dados para Cultivo

Propagação: tubérculos: de 60-150g. (1-3 ton/ha)

Espaçamento: camalhões espaçados de 0,7-1m . Muda a cada 0,35 m

Época de Plantio: julho-agosto

Época Colheita: tubérculo; produção normal: 1000 caixas de 25 kg/ha


Informações Gerais

Contra Indicações:

Não é indicado para: Quem faz regime – deve consumir pouco, pois é rico em carboidratos e calórico.
Pessoas com obstipação intestinal precisam combiná-lo com salada de folhas (tem pouca fibra). [www.colegiosaofrancisco.com.br]

Valor Alimenticio:

Caracteriza-se por possuir em sua constituição química, grande quantidade de vitamina do complexo B (tiamina, riboflavina, piridoxina).
O cará é um alimento rico em carboidratos (feculento) muito consumido por habitantes de países tropicais; na culinária pode ser utilizado como substituto da batata inglesa, da batata doce e da macaxeira. É alimento de fácil digestibilidade, indicado para dietas.
Por o tubérculo não se deteriorar após a colheita, pode conservar-se à sombra em estado natural por até 90 dias, por sua rusticidade e valor alimentício seu cultivo merece atenção no Nordeste brasileiro. [www.colegiosaofrancisco.com.br]


Uso Medicinal

Uso Principal:

Pessoas com alto gasto energético, porque é um alimento calórico, com a vantagem de ser de digestão fácil e rápida.Macio, é indicado a bebês, idosos e convalescentes. [www.colegiosaofrancisco.com.br]

Uso Normal:

Raízes, uso interno, cozidas ou assadas, como alimento: desnutrição, convalescença.

Características:

A família Dioscoreaceae é constituída de nove gêneros e 600 a 900 espécies, sendo 25 espécies de Dioscorea L. descritas como comestíveis, 15 espécies com uso medicinal e 5 como ornamentais. A espécie Dioscorea trifida, conhecida popularmente como cará-doce, possui seu centro de origem no Norte da América do Sul, sendo cultivada em varias regiões do nordeste brasileiro. A planta produz um grupo de pequenas túberas com 15-20 cm de comprimento, pesando 80-150g, com massa feculenta branca, amarela, rosa ou púrpura. Dentre as nematoses, a casca preta causada pelo nematóide Scutellonema bradys (Steiner & Le Hew) Andrassey é a principal doença que ataca as espécies do gênero Dioscorea. Este patógeno se aloja na periferia das túberas não se aprofundando mais que 5cm. Dentre as espécies do gênero Dioscorea utilizadas para a alimentação, apenas o cará São Tome (Dioscorea alata L.) é citado como imune à casca preta
É uma planta herbácea trepadeira (em geral) com tubérculos subterrâneos (aéreos em algumas espécies), caule volúvel, folhas estreitas em forma de ponta-de-faca. Os tubérculos são feculentos e contém vitaminas de complexo B.
As principais espécies são Discorea cayenensis, lam. Africana, com vários tipos (Cará-da-Costa, Cará Tabica, Cará Negro) e a D. alatah., com os tipos (Cará S. Tomé, Cará Mandioca, Cará Flórida). O Cará-da-Costa é rico em carboidratos, proteínas, Vit. C, riboflavina e ácido nicotinico.
Em Pernambuco e Paraíba a variedade mais plantada é o Cará-da-Costa, bastante produtiva (até 40t/ha), tubérculos com película escura, polpa branca e enxuta, formato cilíndrico e alongado, caule com 2-4m. de comprimento, com boa aceitação comercial. Não dispensa tutoramento.
No sudeste cultiva-se o tipo Flórida – resistente ao mal-da-requeima – tem tubérculos com casca marrom – clara, forma alongada, polpa granulosa, bom aspecto comercial. O Maranhão começa a cultivar esse tipo. Algumas espécies tem valor farmacológico.
[www.colegiosaofrancisco.com.br]

Foto:

Foto 2: