Capim jaraguá

Nome cientifico: Andropogon rufus, Sorghum rufum, Trachypogon rufus, Cymbopogon rufus

Sinonímia: Jaraguá, capim-vermelho, provisório (Lorenzi)

Composição Química: A planta tem cerca de 165% de Proteina bruta em suas folhas. Estudos científicos estão em andamento para detectar componentes fitofármacos para justificar os resultados terapêuticos encontrados com seu seu uso popular fortemente disseminado pela população rural brasileira: Determinação de Aminoácidos em Plantas Forrageiras. IV – Hyparrhenia rufa (Ness) Stapf – Períodos juvenil-indutivo e floração, E.R. Fontes, N.H. Silva, E.C. Tenório, E.P. Carrazzoni
Ciência e Cultura, p. 254, 1973; Mem. Inst. Biociências U.F.PE.,1 (1), p. 178175 (1974)
Amino acid content of Hyparrhenia rufa (Nees) Stapf. "capim jaraguá" , in the juvenil-indutive and flowering stages. Description of the plant, origen, fitogeography, ecology, economic importance and relation between free and combined amino acid.


Dados para Cultivo

Propagação: sementes

Espaçamento: plantio a lanço com enterrio leve

Época de Plantio: início do verão chuvoso- varia com a região

Época Colheita: no início do florescimento, folhas e hastes verdes.


Informações Gerais

Valor Alimenticio: Pelo seu grande valor protêico, constitui uma das gramíneas ideais para uso como forrageira para produção de leite de vacas.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, folhas, infusão, dose normal: poderoso anti-anêmico, nos distúrbios da menopausa, ótimo tônico para impotência sexual, auxiliar no tratamento da AIDS [e doençs crônicas] aumentando a resistência geral do organismo; para aumentar a lactação [provavelmente atuando na produção de prolactina].

Uso Normal:

Uso interno, folhas, infusão: crianças com histórico de constantes amigdalite e gripes, toxocoplasmólise. Associado a recuperação de doenças de crianças.

Uso Normal:

Bons resultados com tônico do organismo quando associado com as plantas Catinga-de-mulata (Tanacetum vulgare L.) e boldo (qualquer um deles conhecidos como medicinais).

Características: fonte:www.institutohorus.com.br:
Gramínea perene de colmos eretos e firmes, cespitosa, atingindo normalmente de 1,5 - 1,7 m de altura, podendo alcançar 3 m. Constitui densas e vigorosas touceiras com inúmeros perfílios basais. Colmos cilíndricos com até 8 mm de espessura, com entrenós bastante longos, lisos e glabros, de coloração verde-clara ou amarelada na fase inicial passando ao avermelhado em plantas mais velhas e ao amarelo-palha no fim do ciclo, sendo os nós castanhos. Até a maturação observa-se um contraste de coloração entre a parte dos entrenós coberta pela bainha, verde, e a parte exposta, verde-amarelada. Em plantas velhas os colmos sofrem lignificação, tornando-se bastante resistentes. Possui raízes bastante consistentes, quase rizomatosas. A partir da base da planta podem se formar novos caules em qualquer época. As folhas possuem bainhas relativamente frouxas, cobrindo pouco mais da metade de cada entrenó; verde-claras, lisas e glabras, ligeiramente ciliadas na parte apical. Lígulas membranáceas, bem desenvolvidas, de coloração castanha. Lâminas muito longas, podendo ultrapassar 1 m de comprimento, estreitas, de margens curtamente serreadas e ápice acuminado, lisas e glabras, verde-claras ou róseas. Após o florescimento as folhas ficam duras e ásperas. Inflorescência em panículas muito grandes, chegando a 50 cm de comprimento. Dos nós superiores dos colmos e sob as bainhas elevam-se hastes filiformes que apresentam um pequeno nó, do qual se eleva uma espata (pequena folha modificada) e a raque de um racemo. As raques, também filiformes, tem cerca de 5 cm de comprimento e terminam em ráquilas que sustentam as espiguetas. Apenas nos 2 - 3 cm terminais de cada raque ocorrem os órgãos reprodutivos; em cada ráquila ocorrem 3 - 7 espiguetas.
Área de distribuição onde a espécie é nativa:
África e Madagascar.
Lorenzi apresenta sua origem das regiões tropicais do velho mundo.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: