Artemísia comum (Isopo santo)

Nome cientifico: Artemisia vulgaris, Chrysanthemum parthenium, Bernh.

Sinonímia: Artemísia comum, erva-de-são joão, losna-brava, artemigem, absinto-vulgar, absinto-selvalgem, (não confundir com a losna, Artemisia absinthium); erva-de-fogo; artemísia-baiana, flor-de-são joão, artemija, artemigem, anador, artemísia-vulgar, artemísia-verdadeira, losna-brava.

Composição Química: UFLA - Pereira et al: Óleos essenciais (cineol e tuiona), ácido málico, artemisina, flavonoides, pécticas, saponina, tanino, e uma substância amarga ainda não identificada.


Dados para Cultivo

Propagação: sementes, touceira

Espaçamento: 0,3x0,2 m canteiros ou área total)

Época de Plantio: primavera-verão (água e calor)

Época Colheita: folhas, antes do florescimento, rizomas, ano todo com plantas em pré-florescimento, flores, florescimento


Informações Gerais

Contra Indicações:

Não pode ser usado por mulheres que amamentam pois seca o leite, e por mulheres grávidas. A artemísia e a losna não podem ser usadas cruas pois desta forma são tóxicas. Em doses elevadas podem causar danos no sistema nervoso. Segundo Dr. Brüning, é abortiva.
Botsaris indica que doses altas desta planta provoca excitação no SNC e eventualmente convulsões, provavelmente pela ação do tujone.

Valor Alimenticio: nihil


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, decocto à 10% [ferver 10 gramas de pó de planta em 100 gramas de água mineral], rizoma, flor e folhas, por 5 minutos, dose normal 1 colher de café, 3 vezes ao dia, para: epilepsia; cistecercose; vermífugo; nervosismo; nevralgias reumáticas (ver contra-indicação). Testes promissores no combate à malária pela presença da artemisina.
Botsaris indica esta planta, usando-se as folhas e flores, em decoção, na dose de 3-9 gramas, para as patologias: metrorragia, sangramentos, dismenorreia, asma com dispneia, tosse com expectoração. Estudo científicos tem mostrado grandes possibilidades de uso como: efeito antimicrobiano de largo espectro, com seus extratos aquosos inibindo “in vitro” o crescimentom de: Staphylococcus aurus, Strptococcus pyogenes, Streptotococcus pneumoniae, Shigella sonnei, Salmonella pyphi, Salmonella partyphi, Bacillus dysenteteriase, Echerichia coli, Bacllus subtilis, Psedomons sp. Pesquisadores russos encontraram eficiência em extratos etanólicos contra: S. aureus, B. subtilis , E. coli, Shigella sp, Mycobacterium smegmatis. No pulmão atua em espasmo brônquico, e ação mucolítica e sedativa da tosse; efeito antimalárico [89% de controle sobre Plasmodium falciparum na China] sendo ativa também contra P.vivax e P. ovale; efeito anti-inflamatório;

Uso Normal:

Uso interno, por infusão, ferver por 1 minuto, duas colheres de sopa de flores em 0,5 litros de água, descansar por 15 minutos, tomar 2 a 3 xícaras de chá por dia, ao levantar e deitar, para: nevralgias reumáticas; tônico para circulação sangüínea; cólicas intestinais, digestivo; distúrbios menstruais , cólicas menstruais, antiespasmódico, afecções gástricas, hepáticas (fígado), vermífugo, histeria, convulsões, epilepsia . Em uso externo, decoto à 15 % [15 gramas de pó da planta, fervidas em 100 gramas de água mineral], em 5 minutos de fervura , ou em maceração por 8 dias de 2 colheres de sopa de folhas e rizomas secos picados e 1 xícara de chá de vinagre branco, em: escaras, feridas, piolhos e lêndeas. As flores e folhas, por infusão, uso interno, são usadas como antiespasmódico, febrífugo e emenagoga.

Características: É normalmente encontrada em toda a Europa, norte da África e Ásia central. Existem diversas espécies. No Brasil se aclimatou bem menos na região amazônica. Apresenta folhas de formato variado, cuja maior característica é a diferença de cor entre a parte superior , verde-escura e lisa, e, a inferior, branca e recoberta de pelos. Apresenta odor agradável e sabor levemente amargo. Herbácea pubescente, anual, de até 1,2 metros de altura. Folhas alternas , flores em capítulos pequenos amarelados, todas globulosas e glandulosas; fruto -semente pequeno, esverdeado, tendo em cima um papilo; reproduz-se espontaneamente nos locais aonde vive por sementes e rizoma; não é exigente quanto ao solo e clima, tornando-se portanto normalmente planta invasora aonde vive; deve-se colher os ramos antes da floração e os rizomas em qualquer época, principalmente durante o período frio do ano; tem sabor amargo e odor aromático, é pouco agradável, mas as flores tem sabor agradável, adocicado. As flores devem ser colhidas antes que se abram .

Foto:

Foto 2: