Algodão-bravo

Nome cientifico: Ipomoea carnea Jacq.

Sinonímia: Agodão-de-pântano; algodeiro-bravo; canudo-de-pito; campainha; mata-pinto; majorana; salsa-branca; salsão; mata-cobra.

Composição Química:

Ufla; Lorenzi:
Orizabina ou jalapina (glucosídeo), óleo fixo e outras substâncias encontradas principalmente nas folhas e ramos novos, consideradas tóxicos.
Ipomoea carnea, planta tóxica da família da Convolvulaceae, possui a suainsonina um alcaloide indolizidínico, o qual promove inibição da enzima manosidase ácida ou lisossômica levando ao acúmulo celular de oligossacarídeos não metabolizados adequadamente, causando vacuolização celular. A planta também possui outros alcaloides, as calisteginas que inibem as glicosidases, agravando o efeito causado pela suainsonina.
www.teses.usp.br


Dados para Cultivo

Propagação: Sementes naturais.

Espaçamento: Espécie nativa, sem dados agronômicos ainda.

Época de Plantio: Planta nativa, crescimento natural.

Época Colheita: Folhas por ocasião das primeiras flores.


Informações Gerais

Contra Indicações:

É venenosa, principalmente usando-se as folhas e brotos terminais. É muito tóxica aos bovinos e caprinos. As folhas mastigadas provocam efeitos alucinógenos.

Observações:

De seus ramos, os índios fazem canudos para cachimbos. É usada como planta ornamental pela beleza de suas flores.


Uso Medicinal

Uso Normal:

Uso de folhas e ramos, na forma de infuso como purgante (drástico) e suco no local, nas erupções da pele de origem alérgica.

Características:

Família Convolvuláceas
Hábito Arbusto aquático, caule com interior esponjoso, meio trepador, de 1 a 4 m de altura.
Ciclo Perene, flor e semente praticamente durante o ano todo. A semente pilosa (origem do nome algodão) é espalhada pela água. ….
A principal forma de propagação é vegetativa, os ramos que encostam no chão enraízam, estratégia de avanço que é chamada de “tática de guerrilha”. Rebrota após cortes e fogo, exceto se for afogado depois.
Habitat Cresce somente em solo de barro (argiloso), muito alagável. É muito comum em lagoas rasas nas planícies de inundação dos rios Negro, Abobral e Paraguai. Aumenta em campos com excesso de gado ou perto de porteiras, cochos e aguadas.
Distribuição Do sudeste dos Estados Unidos à Argentina. Abundante nas sub-regiões de Poconé, Paraguai e Nabileque. Invasora na Índia e na África.
Controle É possível diminuir a população com roçadeira antes da cheia, para que a base da planta fique submersa e morra.
Condições relacionadas à intoxicação Apesar de esta planta ser muito abundante no Pantanal, é necessário que o bovino consuma grandes quantidades de folhas verdes para desenvolver o quadro de intoxicação. Isso acontece em época de seca pronunciada. Porém, há suspeita de que os animais se viciam em comê-la. Está sendo muito cultivada como ornamental, situação em que também poderá causar eventual problema a bovinos.
[fonte: isabel cristina – jardineira experiente]

Foto:

Foto 2:

Foto 3: