Alface

Nome cientifico: Lactuca sativa, L.

Sinonímia: Leituca, alface-comum.

Composição Química:

Princípios amargos (lactupicrina e lactucina); sais minerais; vitaminas; óleo essencial. Fonte de Vitaminas A, B1, B2, Niacina, C. Tem sais de: potássio, fósforo, cálcio (84% assimilável), sódio, magnésio, ferro . As folhas de fora são as mais ricas e nutritivas (pelo menos 30 vezes mais vit. A do que as internas brancas). Manitol, ácido lactúcico e oxálico, asparigina.


Dados para Cultivo

Propagação: Sementes nuas-0,6-4 kg/ha.

Espaçamento: 0,2-0,3x0,2-0,3 m semeadura direta.

Época de Plantio: Planalto - março-setembro; serra- ano todo (varied).

Época Colheita: Cabeça com tamanho máximo, senão vai florescer e perde valor como alimento (mas aí passa ter valor medicinal), folhas, suco do talo, sem flor.


Informações Gerais

Contra Indicações:

o talo principal da inflorescência quando prensado produz um látex que é poderoso sonífero exigindo muito cuidado no seu uso para evitar acidentes ao dirigir, operar equipamentos perigosos; etc.

Valor Alimenticio:

As folhas constituem excelente forragem para o gado e servem de alimentação de aves domésticas. As folhas podem ser consumidas cruas, cozidas ou refogadas e sob a forma de suco. Entram no preparo de saladas.

Observações:

Quando a planta se desenvolve totalmente produzindo o lançamento da inflorescência, o talo que a sustenta, quando cortado e espremido, produz um suco branco, denso, que tem poderes até hipnóticos, ajudando nos casos de insônia forte. Contudo deve ser usado com muito cuidado por ser de atuação forte e necessita controle para ser usado.


Uso Medicinal

Uso Normal:

Folhas, 2 colheres de sopa de folhas finamente picadas em 1 xícara de água em fervura pôr 3 muitos , tomar 1 xícara 3 vezes ao dia: laxante, diurética, depurativa, calmante, heurética, mineralizante, vitaminizante, desintoxicante . Folhas, 1 colher de sopa de folhas finamente picadas em 1 xícara de chá de água em fervura, abafar por 10 minutos, tomar 1 xícara 3 vezes ao dia : hipnótico e sedativo do sistema nervoso (pode ser usado também o suco do talo florido – que contem lactucarium – lactusina), na insônia, palpitações do coração, bronquite, gripe, reumatismo, espermatorreia, priapismo blenorrágico, irritação da conjuntiva, sedante genital, asma, tosse dos tuberculosos, dores reumáticas e artríticas, afecções dos rins, vias urinárias, dismenorreia, hemorroidas, bócio exoftálmico, prisão-de-ventre, dores intestinais, azia, diabete mellitus, reumatismo agudo e crônico, gota, dores de estômago, nevralgias, transtornos nervosos, acidose, obesidade, varizes. Para crianças usar metade da dose.

Características:

No Brasil consome-se as variedades : comum, romana e repolhuda. Originária da Ásia. Herbácea de raiz e caule curtos. Folhas grandes, membranáceas, arredondadas e curvas como conchas, que abraçam o caule. As flores são na forma de capítulos amarelados numerosos, surgem na ponta do escapo floral. O fruto-semente é um aquênio com pailó plumoso. Prefere o solo arenoso, e seu plantio é por sementes. Colhidas cerca de 2 meses após o plantio. Existem espécies que se dão bem em clima quente.

Foto:

Foto 2:

Foto 3: