Alcachofra

Nome cientifico: Cynara scolymus.

Sinonímia: Alcachofra-hortense, cachofra, alcachofra-comum, alcachofra-cultivada, alcachofra-de-comer, alcachofra-rosa,

Composição Química:

Taninos e ácido clorogênico. Cinarina (princípio amargo cristalizável) ; ácido cafeico; pigmentos flavonoides (luteol); glicosídeos; cinarosídeos; cinaropicrina, cinaropectina; taninos; mucilagens; pró-vitamina A e vitamina C; enzimas.


Dados para Cultivo

Propagação: Sementes (não muito desejável) e mudas (rebentos).

Espaçamento: 2-2,5 m X 1-1,5 m (2600 a 5000 plantas/ha.

Época de Plantio: Fevereiro a maio em altitudes superiores a 800 m.

Época Colheita: Flores suculentas: início em agosto e término em novembro. As folhas podem ser colhidas durante o período vegetativo.


Informações Gerais

Contra Indicações:

Deve ser evitado seu consumo por mulheres durante a gravidez e lactação, pois pode coagular o leite e diminuir a secreção láctea (Dr. Ferro).
Não deve ser administrada durante a amamentação, nem em casos de fermentação intestinal.

Valor Alimenticio:

A polpa das flores são suculentas e muito apreciadas, podendo ser comidas fervidas e temperadas ou recheadas. O órgão de união das pétalas, conhecido como “coração da alcachofra” é muito apreciado.

Observações:

Tratamento auxiliar no alcoolismo em alto grau com cirrose, pós-hepatite e problemas de fígado.


Uso Medicinal

Uso Principal:

Uso interno, folhas, maceração usando-se 2 colheres de sopa de folhas fatiadas, em 1 xícara de chá de álcool de cereais a 70%. Deixar em repouso por 5 dias: desintoxicante, protege o fígado de agentes tóxicos (principalmente de compostos como o CCl4), digestivo, diabete (tem um composto semelhante à insulina), artrite, pressão alta, atua na má função biliar, colerético, colagogo, estimulante hepático, vesicular e renal; favorece as artérias endurecidas; abaixa níveis de colesterol, colesterol LDL e triglicerídeos, aumentando o colesterol HDL (bom). Funciona como diurético. Em alcoolismo terminal com cirrose atua nos fígados que já foram muito depauperados pelo uso contínuo do álcool; na pós-hepatite; casos envolvendo problemas de fígado, associado a outros compostos. Por conter cinarina, um ácido orgânico peculiar que estimula os receptores da doçura das papilas gustativas, assim, depois de comer alcachofra, algumas pessoas acham que tudo, inclusive água, são doces. Porém ainda não se consegui produzir adoçantes a partir desta planta.
(Alimentos saudáveis & Alimentos perigosos – Reader´s Digest – 1999).

A cinarina derivado da lutoelina abaixa a taxa de colesterol de maneira significativa através de uma estimulação metabólico enzimática. É utilizada para casos de hiperlipidemia e ateromatose no interior dos tecidos adipóides. (www.saudenarede.com.br).
A alcachofra não dissolve os cálculos biliares, mas diminui as cólicas, exercendo um efeito preventivo em pessoas predispostas a desenvolverem litíase (pedras). O incremento da eficiência metabólica do fígado deve-se aos componentes polifenóis que provocam a diminuição plasmática do colesterol.
A cinarina presente na alcachofra possui propriedades anti- hepatotóxicas, estimulando a função do fígado. Ação protetora e regeneradora dos hepatócitos é provocada pelos flavonoides e glialcooliterpênicos que estimulam a síntese enzimática básica do metabolismo hepático.
Na uremia, a cinarina melhora a excreção da amônia por provocar um aumento da produção de ácido úrico pelo epitélio renal.
A ação diurética auxilia a eliminação de ureia e de substâncias tóxicas decorrentes do metabolismo celular desenvolvendo sua ação depurativa.
A oxidase, enzima hidrossolúvel presente na alcachofra é provavelmente a responsável pelas propriedades hipoglicemiante da alcachofra.

Uso Normal:

Uso interno, 1 colher de sopa de folhas secas e moídas em 1 xícara de chá em fervura (5 minutos); tomar 1 xícara de chá 2 a 3 vezes ao dia, antes das principais refeições: afecções do fígado, diurética, prevenção e tratamento da arteriosclerose, auxiliar no tratamento da obesidade; reduz taxas de ureia; hidropsia; aumenta a secreção biliar; atua nas afecções da vesícula; atua como protetora das funções do fígado (hepatoprotetora).
www.portaleducacao.com.br: esta planta evita a absorção de gorduras pelo organismo, atuando assim dos regimes de obesidade [princípio ativo : glicoalcalóides-Cinarina]infusão de folhas, 1 colher de sopa em um copo de água; dose: 3 xícaras de chá ao dia.

Características:

É de origem europeia, sendo que aclimatou-se muito bem no Brasil, principalmente nos estados mais frios. As polpas das flores são comestíveis, são grandes, largas, lanceoladas, com a face superior escura e a inferior veludosa e esbranquiçada. As folhas apresentam um fermento que, mesmo em pequenas quantidades, talha o leite. Herbácea com cerca de 2 m de altura, dependendo do seu cultivo, com folhas segmentadas com até 50 cm de comprimento, não espinhosa. Flores em capítulos solitários, são envolvidas em brácteas suculentas, que são as partes comestíveis. Prefere climas temperados, serranos, pouca acidez, bem drenado. As folhas devem ser colhidas antes do aparecimento das bráqueas. É bem cultivada em regiões subtropicais e temperadas de inverno suave. O pico de produção é em outubro.
A alcachofra não é só uma planta alimentícia indicada para os diabéticos, mas também uma importante erva medicinal que recebeu dos médicos árabes medievais o nome de al-Kharsaf. O nome genérico Cynara vem do latim canina, que se referem a semelhança dos espinhos que a envolvem com os dentes de um cachorro.
(www.saudenarede.com.br)

Foto:

Foto 2:

Foto 3: