Nome da Doença: Úlcera varicosa ; DE PERNA, de origem venosa ; flebite(ajuda nos sintomas)
 
 
Tratamento: Indicação especial Abdalla por ser poderoso cicatrizante e reconstituinte celular: Babosa-grande (Aloi humilis), 20 gotas 3 vezes ao dia (cuidado na dose por ser planta considerada tóxica ). [ver dados da planta]. (não se pode usar mais do que 10% de plantas na confecção do infuso e/ou tintura.
 
 
Sintomas: ÚLCERAS DE PERNA DE ORIGEM VENOSA Que são úlceras de perna de origem venosa? Popularmente conhecidas como úlceras varicosas, decorrem de um transtorno na circulação de retorno das pernas, pois toda a circulação sanguinea de retorno ao coração é feita pelas veias. Há vários tipos de úlceras de perna: provenientes de ferimentos infectados, ou devidas a doenças infecciosas (sífilis, tuberculose, leishmaniose); -por defeitos de glóbulos sanguineos (anemia falciforme); -por doenças auto-imunes (esclerodermia); -por hipertensão arterial; -por má irrigação sanguinea da perna (úlceras isquêmicas); -úlceras dos diabéticos; -tumores de pele; -e úlceras venosas. Das úlceras de perna, 73% são de origem venosa. Como se faz a circulação normalmente nestas veias da perna? Há veias na camada superficial, em meio ao tecido subcutâneo e há veias profundas no meio da camada muscular. A circulação é feita 90% por estas veias profundas que recebem as superficiais e o sangue corre de baixo para cima do pé até o coração e das veias superfzciais para as profundas. 0 fluxo sanguíneo do pé até o coração depende: da contração dos músculos da panturrilha ("barriga da perna ") que espreme as veias e faz o sangue subir. Os músculos da "barriga da perna" são também colhecidos como o "segundo coração", pois tem grande capacidade de bombear o sangue. de dispositivos valvulares (pequenos saquinhos na luz da veia) que não permitem que o sangue volte, isto é, impedem o refluxo sanguíneo. Quais as dificuldades para o retorno do sangue? Subindo pelas veias para o coração o sangue segue contra a ação da gravidade e contra a pressão positiva do abdome. Há fatos que aumentam estas dificuldades, além dos hábitos prejudiciais que diminuem o efeito da "bomba" muscular da panturrilha ("barriga da perna"), tais como: presença de válvulas defeituosas desde o nascimento (congênitas), o que é raro, ou adquiridas (lesadas pela TVP); válvulas que se tornam incompetentes com o aparecimento de varizes; aumento da pressão abdominal nos obesos e gestantes. Nas gestações, além da compressão das grandes veias do abdome, há a ação hormonal. Tudo isto permite o refluxo sangüíneo para a parte distal da perna, para os tornozelos. A estase sangüínea é maior no nível dos tornozelos onde há edema, acúmulo dos dejetos celulares; o sangue é mal oxigenado e a nutrição dos tecidos fica prejudicada; é justamente ai que as úlceras venosas são mais frequentes. Como a maioria das úlceras doem, principalmente quando inflamadas, as pessoas tendem a reduzir muito a movimentação do tornozelo, que em alguns casos fica totalmente rígido. Com isto passam a andar mancando, a musculatura da perna fica atrofiada prejudicando ainda mais a circulação venosa. Quais são as causas de úlceras venosas? Há uma seqüência de eventos: edema (inchação), rompimento de capilares (os menores vasos sanguíneos) e o sangue com seus pigmentos mancha a pele. A pele reage com fenômenos alérgicos - eczema - que dá coceira. Veias mais superficiais nesta pele, já por si inflamada, podem se romper. Ora, a rotura de uma destas veias, o ferimento provocado pela coçadura nos casos de eczemas, ou pequenos traumatismos (pancadas) produzem feridas que vão se alargando são as úlceras. Em condições normais tais ferimentos cicatrizam rapidamente. Na perna varicosa não ocorre o mesmo. Que tratamentos existem para fazer cicatrizar uma úlcera venosa? Qual o melhor curativo? Se o paciente ficar em repouso absoluto com as pernas elevadas elas podem curar-se sozinhas. Uma das principais medidas é a manutenção da ferida limpa. A limpeza da úlcera se faz com jato de soro, associado ao bicarbonato de sódio para diminuir a sensação de ardência. Vários são os tipos de curativos, mas qualquer um deles deve estar associado à compressão, com ataduras ou meias elásticas corretamente indicadas pelo médico. Há polaina de tecido e velcro, bem como a clássica e secular Bota de Uma de fabricação caseira. hoje já há a preparada comercialmente. Ela associa à compressão, o curativo com óxido de zinco, mas há pacientes alérgicos a este produto. Atualmente estão disponíveis diversos tipos de curativos que agem mantendo a ferida fechada. Sua utilização deve ser orientada pelo médico especialista. Quando as úlceras são extensas e não existe infecção, pode-se fazer enxertia cutânea que, além de abreviar o tempo de cicatrização, permite maior resistência às recidivas, isto é a volta do aparecimento das úlcera. Em muitos casos de úlceras varicosas há indicação cirúrgica de tratamento das varizes. Esta indicação somente poderá ser feita por médico especialista, após estudo cuidadoso. A cirurgia só poderá ser realizada após a cicatrização da úlcera ou quando a mesma estiver totalmente isenta de material purulento. fonte: www.saleh.com.br ------------------------------------------- Úlceras de Perna Dr. Baptista Muraco Netto Descrição As úlceras de pernas são lesões na pele da perna que se formam em decorrência de doenças como varizes, hipertensão arterial, diabetes, isquemia e infecções. Representam doenças extremamente importantes, não só por seus aspectos médicos, como pelos problemas sócio-econômicos que ocasionam. Elas acometem pessoas das mais diferentes faixas etárias e têm elevada incidência. Algumas evoluem por longo tempo, cronificam-se e outras, mesmo cicatrizando, deixam seqüelas estéticas (cicatrizes e manchas) e funcionais graves (rigidez das articulações). São responsáveis por faltas ao serviço, horas perdidas e aposentadoria de pessoas jovens, numa faixa etária de elevada produtividade. Quais são as causas? Qual é a sua freqüência? Quais são os sintomas? Como se apresentam as úlceras de perna tumorais? Como se manifestam as úlceras de perna varicosas? Como se manifestam as úlceras de perna isquêmicas (por falta de circulação)? Como se manifestam as úlceras de perna infecciosas ou parasitárias? Como evitar as úlceras de perna? Quais são as causas? Várias doenças podem causar as úlceras de perna, a saber: varizes (úlcera varicosa), flebite crônica (úlcera pós-flebítica), hipertensão arterial (úlcera hipertensiva), trombose arterial (úlcera isquêmica), diabetes (úlcera diabética), infecção (úlcera infecciosa), trauma (úlcera traumática) e tumores (úlcera tumoral). A úlcera varicosa é conseqüência da estase (acúmulo) de sangue venoso na pele que acaba determinando o seu espessamento, a redução da gordura subcutânea, manchas castanhas e finalmente a lesão. O mesmo mecanismo, ao envolver as veias da pele e as veias mais profundas, é responsável pela úlcera pós-flebítica. Na hipertensão arterial, diabetes, trombose arterial, existe a obstrução das artérias da pele e/ou das artérias profundas gerando a ferida. As úlceras infecciosas são ocasionadas por bactérias que lesam a pele. A úlcera traumática ocorre por corte, contusão ou perfuração e as úlceras tumorais por tumores. Qual é a sua freqüência? A incidência das doenças responsáveis pela ocorrência de úlceras de perna varia geograficamente. Nos países desenvolvidos, as lesões mais freqüentes são secundárias a doenças vasculares, principalmente varizes e seqüelas de tromboses venosas profundas. Em regiões menos desenvolvidas, há maior ocorrência de úlceras infecto-parasitárias. Atualmente, em certos países africanos, a principal causa de úlcera de perna é o sarcoma de Kaposi (tumor de pele) secundário à AIDS. No Brasil, predominam nas grandes cidades as úlceras de origem vascular, particularmente a úlcera varicosa, e na zona rural há equilíbrio entre esta última com as de caráter infecto-parasitárias. Quais são os sintomas? As manifestações clínicas variam de acordo com a doença que originou a úlcera e da própria ferida . Como se apresentam as úlceras de perna tumorais? Alguns tumores podem se ulcerar (por exemplo, por má irrigação sangüínea do próprio tumor, devido ao seu rápido crescimento) como por exemplo: O carcinoma espinocelular ulcerado pode aparecer sobre pele normal ou sobre cicatriz de queimadura ou radioterapia. Geralmente, as bordas são endurecidas e pouco nítidas. O carcinoma basocelular ulcerado tem bordas esbranquiçadas, com aspecto de pérola e com pequenos vasos. O sarcoma de Kaposi, tumor comum em indivíduos com AIDS, surge como nódulos, em placas avermelhadas ou vinhosas. No Brasil, ao contrário de países africanos, poucos deles se ulceram. Como se manifestam as úlceras de perna varicosas? Ocorrem em pernas inchadas, com veias dilatadas e visíveis, havendo espessamento da pele e mancha de cor castanha onde vai se instalar a úlcera. Os doentes se queixam de sensação de peso e cansaço nos membros e queimação nos trajetos venosos. A úlcera varicosa costuma ser pouco dolorosa, sendo essa queixa exacerbada quando existe infecção local. Como se manifestam as úlceras de perna isquêmicas (por falta de circulação)? Caracterizam-se por dor intensa, contínua, que se mantém durante a noite, impedindo o sono. Aparecem espontaneamente ou após trauma. No início, surge mancha violácea ou bolha escura com posterior formação de escara que se desprende, aparecendo, então, a úlcera. As úlceras isquêmicas são complicações observadas em diabéticos, hipertensos ou em pacientes com obstrução (trombose) das artérias da perna. Nessa última circunstância, o doente costuma referir dor muscular ao andar que desaparece com o repouso, precedendo o aparecimento da úlcera. Como se manifestam as úlceras de perna infecciosas ou parasitárias? Associam-se a infecções cutâneas e aparecem no curso dessas doenças. Têm secreção purulenta, são dolorosas e apresentam características inflamatórias de bordas ou fundo determinadas pelo processo de base, isto é, o aspecto costuma ser característico de cada agente infeccioso. Como evitar as úlceras de perna? A profilaxia da lesão cutânea baseia-se no tratamento da doença causal, como operação de varizes, uso de meia elástica, controle da pressão alta, do diabetes, do excesso de peso, realização de exercícios físicos, prevenção de infecções e de traumas nos membros inferiores. fonte:www.emedix.com.br
 
 
Dieta e Recomendações:
 

Página Anterior
Versão p/ Impressão